Tesla

Tesla melhorou baterias para evitar incêndios

O risco de incêndio é real nos carros eléctricos e, quanto mais potentes, pior. Mas tal como as marcas aprenderam a lidar com os fogos nos carros a gasolina, o mesmo acontece com os eléctricos.

No actual estágio de desenvolvimento das baterias de iões de lítio, a ocorrência de um princípio de incêndio em caso de acidente violento, ou deformação do pack de baterias, é sempre possível. Todos os fabricantes estão a tentar minimizar o problema, que tardou 100 anos para controlar – e não é muito – nos motores a gasolina.

Os veículos eléctricos alimentados por bateria não são mais perigosos, nem provocam mais incêndios, ou fogos mais violentos, do que seus rivais a gasolina. Ainda assim, os fabricantes não se poupam a investimentos, no sentido de limitar os riscos. Para isso, concebem formas mais eficientes de controlar o incremento de temperatura das células, mesmo em caso de curto-circuito, ou maneiras de evitar que o incêndio de um módulo de células se propague para o módulo seguinte.

Para atenuar o problema, a Tesla concebeu um novo pack de baterias, com recurso a uma nova tecnologia. O objectivo é impedir que o colapso de uma célula se propague às células vizinhas, incrementando o potencial de destruição. Quando as baterias se degradam devido a problemas de fabricação, habitualmente aumentos de temperatura, libertam gases quentes que acabam por danificar as células do lado.

Não há dados concretos sobre os segredos do novo pack da Tesla, mas deverá passar pelo isolamento térmico das células, tanto mais que a marca americana não recorre à divisão por módulos, isolados uns dos outros, que podem ajudar a controlar o incêndio. A solução da Tesla também pode passar pela existência de sistemas de evacuação de gases quentes em caso de fuga, fruto de uma célula danificada.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)