Greve

Greve dos enfermeiros do Instituto de Oncologia com adesão de 90%

A greve dos enfermeiros do IPO de Lisboa teve início às 8h de hoje e termina à meia-noite. Os enfermeiros exigem o descongelamento das progressões com "a contagem dos pontos justamente devidos".

A greve tem início às 8h desta terça-feira e termina à meia-noite. Durante o período da greve serão assegurados os serviços mínimos

Manuel Almeida/LUSA

A greve dos enfermeiros do Instituto Português de Oncologia de Lisboa atingiu, esta terça-feira de manhã, uma adesão de 90%, estando o bloco cirúrgico e as consultas externas paralisados, afirmou a dirigente sindical Elisabete Amoedo.

A dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses falava aos jornalistas em frente à entrada da instituição, onde se concentraram algumas dezenas de profissionais com bandeiras de sindicatos e uma vuvuzela. Elisabete Amoedo referiu que o bloco cirúrgico está paralisado e não se fazem consultas externas, funcionando apenas os serviços mínimos.

Os enfermeiros do IPO de Lisboa iniciaram, às 8h desta terça-feira uma greve para exigir o descongelamento das progressões com “a contagem dos pontos justamente devidos”, independentemente do tipo de contrato de trabalho. A paralisação termina à meia-noite, abrangendo os turnos da manhã e da tarde, segundo o pré-aviso de greve, publicado na página do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP).

O protesto contou ainda com uma concentração em frente ao IPO. Os profissionais reivindicam a “justa contabilização de pontos para todos os enfermeiros, independentemente do vínculo, para efeitos do descongelamento das progressões”.

Os enfermeiros exigem o descongelamento das progressões com a contagem dos pontos justamente devidos, independentemente do tipo de contrato de trabalho, designadamente: 1,5 pontos de 2004 a 2014, a não consideração do reposicionamento nos 1.201 euros para início da contagem e a aplicação de pontos aos Contratos Individuais de Trabalho (CIT).

A greve desta terça-feira foi decidida em plenário no passado dia 12 de dezembro, após a entrega de um abaixo-assinado com 320 assinaturas exigindo, junto do conselho de administração, a justa contagem dos pontos para efeitos de progressão.

[Atualização às 13h09]

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)