Porto

Marcelo está “apaixonado” pelo projeto de reconversão do antigo Matadouro Industrial do Porto

O Presidente da República declarou hoje o seu apoio ao projeto de reconversão do antigo Matadouro Industrial do Porto, que aguarda luz verde do Tribunal de Contas para iniciar a obra.

Autor
  • Maria Martinho

O antigo Matadouro Industrial do Porto, em Campanhã, é há muito apontado como o principal ativo para a regeneração urbana da zona oriental da cidade, sendo esta tarde apresentado o seu projeto de reconversão e requalificação.

O primeiro a intervir foi Rui Moreira, Presidente da Câmara Municipal do Porto, que considera este “um projeto evidente”, relembrando que “Campanhã é um território excluído porque ao longo de vários anos foi rasgado pelo caminho de ferro, pela Circunvalação e pela Via de Cintura Interna”. Segundo o autarca, é hoje necessária “uma coesão territorial” para “uma cidade mais equilibrada” e o Matadouro pretende representar isso mesmo. “Queremos que esta seja a rua do Porto”, referiu Moreira.

A autarquia iniciou os estudos da reconversão do Matadouro em 2015 e em maio do ano passado a empresa portuense Mota-Engil venceu o concurso público internacional, prometendo investir 39 milhões de euros, ficando como concessionária durante 30 anos. A câmara ficará com espaços dedicados à cultura e à coesão social, sendo que o restante será gerido por privados e acolherá empresas.

Octavio Passos/Observador

Co-autor do projeto de transformação deste edifício em decadência construído na década de 30 foi o gabinete de arquitetura OODA — Oporto Office for Design and Architecture, que em parceria com o arquiteto japonês Kengo Kuma desenhou e idealizou o futuro do antigo Matadouro. Segundo Diogo Brito, um dos sócios do gabinete OODA, Kengo Kuma tem três décadas de experiência, é responsável por projetar novo Estádio Nacional de Tóquio, que receberá a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2020, e numa entrevista recente considerou o Matadouro “um segredo escondido na cidade”, assumindo “criar uma nova tipologia de espaço público no Porto para funcionar todos os dias e para toda a gente”.

Diogo Brito sublinhou ainda o potencial desta estrutura, “quer na sua localização, como na tipologia das suas construções existentes”, explicando que o objetivo é recuperar um espaço “afundado pelo crescimento da cidade e colocá-lo de novo à superfície”. Articular construções antigas com “um novo edifício que servirá de suporte estrutural a uma nova ponte pedonal”, garantindo o atravessamento para o lado oposto à Via de Cintura Interna, será o principal desafio. Tornar o espaço acolhedor, intimista e confortável é uma das premissas, assim como “não desvirtuar a memória local”, uma vez que a intervenção será feita num património classificado. As valências destes quase 30 mil metros quadrados são várias. “Museu, biblioteca, praças, depósitos de arte, espaços performativos e desportivos, zona de escritórios e de apoio comunitário” são algumas referidas pelo arquiteto.

Octavio Passos/Observador

“Este é um projeto que me seduziu desde a primeira hora.” Quem o diz é Marcelo Rebelo de Sousa, após ouvir a apresentação do arquiteto, ficando “ainda mais convencido” de um trabalho “verdadeiramente revolucionário numa área única”. Para Marcelo, este é um conceito transversal, que reuniu o consenso de todas as forças políticas, e multidimensional, ao incluir cultura, economia e coesão social, condições que permitem ao antigo Matadouro ser “um polo urbano único, no tempo e no espaço”, o que, segundo a experiência do Chefe de Estado como autarca, “não acontece muitas vezes”.

Construir “onde aparentemente é mais difícil é fazer aquilo que se chama urbanismo de futuro”, reforçou o presidente, acrescentando o fato desta propriedade continuar pública também o “entusiasmou”. “Este é um grande projeto urbanístico, não é um projeto de um presidente da câmara, nem sequer de uma câmara, nem de uma assembleia municipal, nem de um ano ou de um mandato.”

O Presidente da República entende que esta “é uma oportunidade raríssima” e “a não perder”, um “caso excecional” que exige “naturalmente uma solução excecional”. “Como é que depois os juristas, os burocratas e os tecnocratas enquadram esta realidade de uma forma que a seus olhos não violente os princípios constitucionais, isso parece-me, apesar de tudo, fácil de equacionar perante a singularidade da ocasião.”

Reafirmando o seu apoio total à nova vida do Matadouro, dizendo-se mesmo “apaixonado pelo projeto”, Marcelo deixa um repto. “Metamos mãos a obra, tratemos de converter os ainda não convertidos”, porque “cada dia perdido num projeto destes é um dia perdido para todos os portugueses”. O Presidente espera que “o Tribunal de Contas fique convencido” e pretende estar presente quando as obras começarem. Rui Moreira afirmou no ano passado que os trabalhos poderão avançar em abril de 2019 e que o prazo previsto de conclusão será de dois anos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)