Decoração

Marie Kondo não é caso único. A tendência de arrumar a casa também chegou a Portugal

333

Antes da arte da japonesa Marie Kondo chegar ao pequeno ecrã já existiam no mercado nacional livros sobre como melhor arrumar e organizar a casa. Reunimos e resumimos três deles.

Arrumar a casa é uma nova tendência graças à japonesa Marie Kondo. Mas antes dela chegar à Netflix já existam alguns livros sobre o assunto em Portugal

© KatarzynaBialasiewicz/iStockphoto

Paula Margarido – “Destralhe a sua casa”

São várias as maneiras de remover a tralha de casa, o importante é sentir que está na hora de o fazer: quando as divisões desarrumadas ou com excesso de objetos começam a ser um incómodo ou quando, findo o dia, há pouca vontade em regressar a casa. Este é o primeiro conselho de Paula Margarido, arquiteta e formadora de Feng Shui, que anda há mais de 20 anos a trabalhar com pessoas e suas casas. Outra situação descrita pela autora do livro “Destralhe a sua casa” (editora Manuscrito) remete para quando alguém tem, efetivamente, vergonha de que a sua falta de organização caseira seja descoberta por terceiros. Se for o caso, então, está mesmo na hora de arregaçar as mangas e começar a reunir o que já devia ter saído porta fora há muito tempo. Segundo Paula Margarido, o ambiente de desarrumação e de caos contribui para criar confusão mental. “A pessoa vai ficar mais deprimida, começa procrastinar, a perder energia… São situações urgentes, porque nós somos o espelho da casa”, diz ao Observador.

© DR Cerca de 17 euros

Ao longo de mais de duas décadas de carreira, a arquiteta que ajuda os clientes a arrumar a casa tem vindo a perceber mudanças de paradigma cultural, isto é, hoje há outra consciência tendo em conta o bem-estar e o minimalismo em casa. Um primeiro passo nesse sentido é percebermos o que realmente temos em casa: “As pessoas encontram muitas vezes coisas que não sabiam que tinham em casa, até coisas do ex-marido que ficaram por lá”. Outro conselho bastante importante passa por termos noção da real quantidade de espaço de arrumação — um bom armário faz uma grande diferença, atesta a especialista.

Os diferentes tipos de tralha

  • Tralha comum: objetos e coisas que nunca foram utilizadas, coisas de que não gosta e que ocupam espaço lá em casa;
  • Tralha simbólica: objetos que afetam inconscientemente de forma negativa (presentes dos quais nunca gostámos ou objetos que suscitam memórias infelizes);
  • Tralha energética: objetos que sugam a nossa energia e que nos desgastam (como fotografias de pessoas que passaram pela nossa vida e que deixaram uma marca menos positiva);
  • Tralha mental e emocional: questão emocionais não resolvidas, tarefas por fazer.

“O mais importante é a pessoa só guardar e manter tudo o que realmente gosta, usa e que representa boas recordações”, continua. Ter por ter ou guardar coisas que um dia, quem sabe, vão ser finalmente usadas não entram nessa lista. Mas o dilema é fácil de resolver: tudo o que não for para ficar entre as quatro paredes de um lar pode ser reciclado, vendido ou doado. “É essencial dar espaço ao novo.” “Destralhada” a casa, é importante manter uma lógica de arrumação, algo que só é possível com o contributo de toda a família ou das pessoas com quem possamos estar a dividir a casa. Livrar a casa do que está a mais nem sempre é fácil, sobretudo quando há heranças à mistura. Até aí é preciso ter a certeza de que peças queremos ter realmente em casa e que nos trazem boas memórias. “Destralhar após um divórcio ou após a morte de um avô ou de um dos pais não são situações fáceis. É algo muito emocional, pelo que aconselho que, quando chegar o momento de arrumar a casa, isso seja sempre feito com ajuda, de um amigo ou de uma amiga.”

Destralhar e organizar têm de vir de mãos dadas. Assim sendo, é fundamental, depois de selecionar as coisas que quer manter à sua volta, designar um lugar para cada coisa. Destralhar é a forma mais rápida de transformar a sua vida. Pág. 35

Paula Margarido não concorda com casas-museus, em que crianças não podem brincar livremente, nem com casas totalmente desapegadas de memórias, até porque, no meio da tralha, há peças que contam parte da nossa história.

Filipa Brandão Mira – “Cuidar da casa”

Filipa Brandão Mira, habituada a criar e a restaurar peças, mas também a falar sobre como cuidar da casa em televisão, confirma que em voga está a tendência da arrumação, que considera ser altamente necessária. No primeiro livro que escreveu — “Cuidar da Casa” (Esfera dos Livros) — propôs-se a ensinar aos leitores dicas, técnicas e produtos para melhor limpar a casa. Mas é de como arrumar o lar que fala agora ao Observador. Defende que para se ter uma casa bem arrumada é preciso pragmatismo e prefere arrumar as coisas por categoria ao invés de ir divisão a divisão (à semelhança do que faz a japonesa Marie Kondo).

© DR Cerca de 18 euros

“Para termos uma vida funcional e feliz temos de ter a casa arrumada, caso contrário vai tudo a eito. É tentar simplificar, o que às vezes não é fácil, mas não posso dizer que vou na onda do minimalismo. Crio peças, estou sempre a criar. Para mim, isso faz parte de cuidar a casa”, diz ao Observador. Para Filipa Brandão Mira, que não cede espaço à prática da acumulação, a casa deve estar em movimento tal como as nossas vidas. “Não é preciso estar sempre com as mesmas coisas em casa. Cuidar também é criar coisas novas e não é preciso dinheiro para isso, basta pôr mãos à obra”, atesta, fazendo referência ao segundo livro que está agora a lançar (“Reciclar, Decorar e Organizar”). O conceito de recriar estende-se às roupas: coisas que já não são usadas podem ser doadas ou, então, recicladas. A ideia a reter é a seguinte: cada peça que é feita ou adquirida com amor é capaz de nos fazer felizes e de trazer bom ambiente ao espaço onde vivemos, algo que está interligado com a arrumação.

Paulina Draganja – “Organize a sua casa”

Paulina Draganja não é portuguesa, mas o livro que escreveu, “Organize a sua casa”, chegou ao território luso no verão passado. A ucraniana licenciada em Economia descobriu um outro rumo profissional quando, no final de dezembro de 2015, lançou um projeto de arrumação no blogue que criara: “A Rainha da Arrumação”. Ao longo de um ano, milhares de seguidores executaram as tarefas propostas pela blogger, que passou os textos do universo virtual para o papel. O livro à venda em Portugal deve ser encarado “como uma ferramenta prática para criar uma casa bem organizada em menos de um ano”. A proposta da autora passa por concluir uma tarefa específica por semana, sendo que, ao todo, existem 52. A ideia é criar rotinas ditas sustentáveis para manter, a longo prazo, a casa organizada.

Quando olhamos para a nossa casa com os olhos de alguém que pretende vê-la organizada, descobrimos coisas em que deixámos de pensar por completo, mas que nos incomodam. É por isso que é tão importante ser cuidadoso com o primeiro projeto do livro: adaptar a lista à sua casa”, página 4.

© DR Cerca de 16 euros

As tarefas propostas por Paulina Draganja, que é conferencista internacional sobre organização e arrumação, começam com a criação de uma lista de prioridades e vão, posteriormente, a todos os cantos da casa: se à terceira semana se está a organizar os tachos, as panelas e as formas da cozinha, na nona está-se de volta do correio, a fazer uma gestão minuciosa da correspondência recebida e por enviar. Na lista estão ainda desafios como “organizar o armários dos produtos de limpeza”, “passar revista ao equipamento desportivo” e “limpar a memória do telemóvel”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)