Bruno Lage venceu o Sporting pela segunda vez em quatro dias. Mas quando esta quarta-feira chegou à sala de conferências de imprensa do Estádio da Luz, o treinador do Benfica pediu um momento para falar de tudo menos de futebol. Ou melhor: um momento para falar de tudo aquilo que o futebol tem para lá das quatro linhas. “Como sabem, não nasci nesta casa, mas cresci aqui durante seis anos e agora houve um regresso. Estou a fazer um percurso do qual me orgulho muito. A forma como tenho sido tratado pelas pessoas deste clube… Não posso esquecer todas as pessoas que me ajudaram. Uma palavra muito especial para o nosso amigo Fernando Chalana, quero dedicar-lhe esta vitória”, disse Lage, de forma surpreendente e visivelmente emocionado.

Como um pontapé do meio da rua transformou a crise numa oportunidade (a crónica do Benfica-Sporting)

Fernando Chalana, antigo jogador do Benfica e também ele várias vezes treinador interino, assim como Lage o foi antes de conquistar o lugar que era de Rui Vitória, estará a atravessar um período delicado a nível de saúde e tem sido alvo de vários pedidos de homenagens por parte dos adeptos. No dia em que o Benfica venceu o Sporting pela segunda vez em quatro dias e ganhou a primeira mão da meia-final da Taça de Portugal, Chalana foi recordado por um dos muitos treinadores e jogadores que formou, moldou e ensinou a pensar futebol.

Sobre o jogo, Bruno Lage reconheceu que “a primeira parte foi equilibrada” mas defendeu que o Benfica controlou o segundo tempo. “Estivemos sempre mais perto de marcar golos, tivemos oportunidades para acrescentar um golo ao 2-0, não conseguimos. Depois, é ter capacidade e continuidade de ter o nosso jogo mais tempo. Começámos a não ter bola, a pressionar na emoção e demos algum espaço ao Sporting. Numa transição nasce uma falta, da falta nasce um bom golo”, acrescentou o treinador encarnado, em referência ao golo de livre direto marcado por Bruno Fernandes que relançou a eliminatória, numa “oportunidade” que surgiu do facto de no último quarto de hora o técnico ter sentido “necessidade de fazer mais uma substituição”, substituição essa era já um tiro gasto, já que Lage foi obrigado a fazer uma alteração para render o lesionado Jardel, lançando Ferro.

“Ainda é cedo para avaliar, mas estou satisfeito com toda a gente e com o que foi a prestação do Ferro. Muito satisfeito, é mais um reforço da nossa equipa. Perdi uma substituição, mas ganhámos um jogador. Tinha dito que os reforços estavam em casa e estou plenamente satisfeito com o que foi a prestação do Ferro”, defendeu Bruno Lage sobre a exibição do jovem jogador, que chegou a ser apontado como o próximo grande central português do Benfica quando ainda era júnior – e cuja promoção à equipa principal era tida como uma certeza antes ainda de ser uma possibilidade para o atualmente titular Rúben Dias.

O treinador do Benfica garantiu que os dois dias de intervalo entre o dérbi de domingo e o dérbi de quarta-feira serviram para “trabalhar e para evoluir” e explicou que encontrou “uma boa resposta do Sporting”. “Mais cauteloso, a tentar anular a nossa forma de organizar jogo. Tentámos sair a jogar de outra forma. Vamos tendo os nossos momentos, mas o mais importante é, jogo a jogo, consolidar o que é nosso. Era um jogo importante, mas não determinante. Mesmo com o 2-0, o jogo estava em aberto e vamos discutir esta eliminatória em abril”, acrescentou Bruno Lage, que somou a sétima vitória em oito jogos para todas as competições.

Em resposta a uma pergunta mais curiosa, onde foi tido como um “viciado em futebol” e lhe perguntaram se os jogadores já apanharam também “esse vício”, Lage explicou, entre sorrisos contidos, que “esse é o trabalho” do plantel. “Sinto que as pessoas se divertem a ver o nosso jogo. Mas isto tem de ser todos os jogos. As pessoas sabem que temos bons jogadores, uma belíssima equipa. Têm de jogar desta maneira para os adeptos apoiarem. De três em três, de quatro em quatro dias, temos de marcar presença nos jogos. E os adeptos apoiam, 90 minutos incansáveis”, explicou o técnico português. Viciados em futebol ou não, a verdade é que o Benfica está invicto frente ao Sporting há oito jogos: o melhor registo desde o período entre 2009 e 2012.