Óbito

Morreu ilustrador e escritor francês Tomi Ungerer

120

O ilustrador e escritor francês Tomi Ungerer morreu este sábado aos 87 anos, na Irlanda, em casa da filha, anunciou o seu ex-assessor Robert Walter.

Tomi Ungerer ridicularizava as fronteiras entre os géneros, manipulava idiomas e deixou uma marca profunda nas artes gráficas

ANTHONY ANEX/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ilustrador e escritor francês Tomi Ungerer morreu este sábado aos 87 anos, na Irlanda, em casa da filha, anunciou o seu ex-assessor Robert Walter.

Ele morreu durante a noite. Foi a esposa que me ligou hoje pela manhã”, disse à agência France Presse Robert Walter, um amigo “de 35 anos”.

Autor de famosos álbuns infantis, o cartunista Tomi Ungerer, que morreu na Irlanda aos 87 anos, era um artista que ridicularizava as fronteiras entre os géneros, manipulava idiomas e deixou uma marca profunda nas artes gráficas.

Nascido a 28 de novembro de 1931 em Estrasburgo, no seio de uma família de relojoeiros, Tomi Ungerer – Jean-Thomas era o seu nome verdadeiro – ficou órfão aos três anos, sofreu a anexação da Alsácia pela Alemanha e a doutrinação nazista nas escolas.

Em 1956 emigrou para Nova Iorque onde começou a escrever livros infantis. Publicou em jornais e revistas como o The New Yorker, Esquire, Life Show e Fortune. Mais tarde mudou-se para o Canadá e no final dos anos 70 radicou-se na Irlanda.

Ungerer publicou mais de 140 livros infantis e do fantástico ao autobiográfico. Entre as suas obras contam-se títulos como “Emílio”, “Os Três Bandidos”, “Crictor”, “Adelaide”, “O Homem da Lua” ou “Rufus”.

Entre outras distinções, Tomi Ungerer recebeu a Medalha de Ouro da Sociedade de Ilustradores e o Prémio Hans Christian Andersen em 1998. Depois de se ter retirado como ilustrador, desenvolveu outra faceta como filantropo, vocacionado para causas humanitárias.

Em Estrasburgo, a sua cidade natal, está localizado um museu com o seu nome ao qual Tomi Ungerer doou mais de 11.000 desenhos, esculturas, brinquedos e livros originais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)