Hungria

Hungria. Orbán dá benefício fiscal a quem tem quatro ou mais filhos. Objetivo: mais crianças, menos imigrantes

1.471

Primeiro-ministro húngaro anunciou medidas agressivas de incentivo à natalidade e apoio a famílias numerosas. Aumento da população, em vez de imigração, é a solução de Orbán para a crise demográfica.

Viktor Orbán, primeiro-ministro da Húngria, prometeu isenção fiscal às mulheres com quatro filhos ou mais

Getty Images

O objetivo é aumentar a população para não haver necessidade de receber imigrantes. O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, prometeu este fim de semana que as mulheres que tenham quatro filhos ou mais não vão pagar impostos. Tudo porque Orbán considera que se conseguir que as famílias húngaras tenham mais filhos consegue travar a entrada de imigrantes muçulmanos no país.

“Por toda a Europa há cada vez menos nascimentos, e a resposta do ocidente para este problema é a migração”, começou por dizer o governante da extrema-direita num discurso dirigido ao país, este domingo. “Eles querem mais imigrantes a entrar para colmatar a falta de crianças, para que os números de natalidade cresçam. Mas nós, húngaros, temos outra forma de ver as coisas. Em vez de apenas números, nós queremos crianças. A migração para nós é sinónimo de desistência”, disse, citado pelo jornal britânico The Guardian.

Além da isenção fiscal para as mulheres com quatro filhos ou mais, Orbán anunciou no mesmo discurso uma série de medidas de apoio às famílias numerosas, que passam também por apoios na compra de carros para as famílias com três ou mais filhos, ou por mais financiamento para creches e jardins de infância. A ideia, explicou, é manter como prioridade do seu mandato a crise demográfica, sempre lado a lado com a diminuição da imigração. Para isso, o governo lançou no último ano uma “consulta pública”, para ouvir cada agregado familiar da Hungria sobre políticas de família e migração.

O declínio demográfico é um problema crescente nas sociedades do centro e leste europeu, com milhares de pessoas a deixar os seus países para acederem a melhores salários na Europa ocidental. O fenómeno intensificou-se com a adesão à União Europeia, onde a circulação de pessoas ficou facilitada. Isto, combinado com baixas taxas de natalidade, contribuiu para uma diminuição significativa da população. E em vez de olhar para a migração como forma de solucionar as falhas de população ativa para trabalhar, o governo populista de Orbán recusa totalmente essa ideia, optando antes por medidas agressivas de incentivo à natalidade.

“A Europa chegou a um beco sem saída”, disse Orbán durante o discurso de domingo, criticando os países que estão com “populações mistas” em função dos fenómenos migratórios. Para o primeiro-ministro húngaro, trata-se de um “ponto sem retorno”, pelo que não quer o mesmo para a Hungria.

Enquanto o primeiro-ministro discursava, manifestantes anti-Orbán saíram à rua para o mais recente de uma série de manifestações que começaram em dezembro, depois de o parlamento ter aprovado uma lei, que ficou conhecida como a “lei dos escravos”, que permitia aos empregadores exigiram mais horas extra aos funcionários.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)