Apps

Reino Unido quer maior proteção de menores em apps como o Tinder ou Grindr

Foram encontrados vários casos de pedofilia e violação em apps de encontros como o Tinder ou Grindr. O governo inglês exige mais proteção para os menores de idade.

Estima-se que 50 milhões de pessoas usem o Tinder todos os meses

Getty Images

O governo britânico vai exigir que o Tinder e ao Grindr expliquem como impedem menores de idade de utilizar os seus serviços de encontros. O pedido formal surge depois de uma investigação do Sunday Times encontrar 30 investigações policiais por violação de menores ligadas às aplicações, e detetar outros 60 casos de abuso de crianças. Num dos casos mais extremos, um jovem de 13 anos no Grindr terá sido abusado sexualmente por pelo menos 21 homens.

O Secretário Inglês da Cultura, Jeremy Wright, considerou o relatório “verdadeiramente chocante”, servindo como “mais uma prova de que as empresas online precisam de fazer muito mais para proteger as crianças”. O Ministério da Cultura deverá enviar agora um pedido de esclarecimento às empresas para saber que mecanismos têm para travar o seu uso por menores de idade. Caso as respostas do Tinder e do Grindr não sejam satisfatórias, Jeremy Wright diz poder avançar para ação legislativa. Uma das medidas mais imediatas, segundo o mesmo responsável do governo inglês, será estender às aplicações de encontros uma lei prestes a ser imposta aos websites pornográficos: a aplicação de tecnologias rígidas de verificação de idade. No Reino Unido, a partir de abril, será necessário provar que se é maior de idade para aceder a conteúdos para adultos, apresentando o email, dados do cartão de crédito ou outros documentos de validação.

Em janeiro de 2019, a Comissão do Parlamento Britânico para a Ciência e Tecnologia tinha chamado a atenção para o problema, pedindo que o governo criasse o dever legal de as plataformas cuidarem dos seus utilizadores. O mesmo relatório exige mais transparência por parte das empresas tecnológicas.

Em resposta às declarações do governo inglês, o Tinder afirmou que gasta “milhões de dólares anualmente” para manter sistemas automáticos e manuais que afastem os menores de idade da plataforma. Na mesma linha, representantes do Grindr garantiram à BBC que qualquer caso de abuso sexual ia “claramente contra os termos de serviço” da aplicação. A empresa sublinhou ainda que estava “a trabalhar constantemente para melhorar” as “ferramentas digitais e humanas para prevenir e remover o uso indevido do serviço por menores de idade”.

O Tinder tem mais de 10 milhões de utilizadores diários, a nível global, gerando matches — encontros digitais — 12 milhões de vezes por dia. A aplicação de encontros foi criada em 2012 e está avaliada em quase 3 mil milhões de euros. O Grindr é uma app focada na promoção de encontros entre a comunidade LGBTQ+. Lançada em 2009, chega a 3,4 milhões de pessoas todos os dias, que dão à empresa um valor estimado de 155 milhões de euros.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)