O treinador da equipa de futebol do FC Porto mostrou-se esta sexta-feira convicto que a fase “de bolas na trave já passou” e acredita que, frente ao Vitória de Setúbal, a equipa vai “fazer um bom jogo e ganhar”.

Na conferência de imprensa de antevisão do encontro da 22.ª jornada da I Liga, Sérgio Conceição confirmou ainda a ausência de Brahimi, mas sem se mostrar demasiado preocupado.

Temos sofrido um bocadinho com as lesões, mas eu estou aqui e sou pago para encontrar soluções e nunca me vou desculpar com essas ausências”, referiu o treinador, aludindo ainda às baixas prolongadas de Aboubakar e Marega.

Sérgio Conceição lembrou que esses jogadores “estiveram em 60% dos golos do ano passado, por exemplo”, mas que, frente ao Vitória de Setúbal, “estarão outros”.

“Os três jogadores que entraram em Roma [derrota por 2-1, na terça-feira, para a Liga dos Campeões] entraram muito bem e um deles [Adrián Lopez] fez o golo. Os jogadores estão preparados e acho que a força do balneário e da nossa equipa é exatamente essa. Em termos estatísticos, somos uma equipa em que os jogadores que entram durante o jogo têm um peso enorme no resultado final. Por isso, tenho confiança no grupo”, frisou.

Sobre o adversário, o Vitória de Setúbal, que chega ao Estádio do Dragão com uma sequência de três empates consecutivos desde que Sandro assumiu o comando técnico, substituindo Lito Vidigal, Sérgio Conceição vê uma equipa coesa defensivamente, apesar de não marcar muito.

É verdade que, com a troca de treinador, com o Sandro, a equipa não marca muito, mas também não sofre. Mantém a estrutura habitual, é uma equipa poderosa em termos físicos, com jogadores interessantes nesse impacto. Tem boas individualidades e acho que vai ser um jogo dentro do que tem sido no campeonato. Fica mais ou menos difícil consoante o que o FC Porto fizer. Somos uma equipa individual e coletivamente mais forte”, referiu o treinador.

Sérgio Conceição aproveitou ainda para esclarecer a conversa com o central brasileiro Felipe no final do jogo com o Roma, que deu motivos para especulações devido à forma exaltada como o jogador se dirigia ao técnico.

“Não vejo a estranheza. Depois de um jogo de grande intensidade, dos oitavos de final da Liga dos Campeões, chego ao fim e há um jogador que está irritado com um lance do jogo. Para já, prefiro ter um jogador irritado quando perdemos, do que aos sorrisos e aos abraços e a combinar um jantar no dia seguinte”, explicou o técnico portista.

Segundo Sérgio Conceição, “podia haver alguma expulsão mesmo depois do jogo e foi nesse sentido” que o técnico se dirigiu ao futebolista ‘canarinho’.

“Ele estava ainda irritado e começou a explicar. Depois, um dedo para cima, para baixo, ou para o meio, depende de como cada um quer interpretar. Depende das pessoas, da forma como querem interpretar”, concluiu.

O FC Porto, líder da I Liga portuguesa de futebol, com 51 pontos, mais um do que o Benfica, joga no sábado, pelas 20h30, frente o Vitória de Setúbal, 12.º classificado, com 22, em encontro da 22.ª jornada, no Estádio do Dragão, no Porto.