Venezuela

Guaidó quer vender mais petróleo venezuelano aos Estados Unidos

231

Autoproclamado Presidente defendeu que Venezuela deveria intensificar a sua relação comercial com os EUA, sobretudo ao nível da venda do crude pesado venezuelano.

Juan Guaidó é presidente da Assembleia Nacional venezuelana

Leonardo Munoz/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O chefe do Parlamento venezuelano e autoproclamado Presidente, Juan Guaidó, defendeu esta sexta-feira a relação comercial daquele país sul-americano com os Estados Unidos, principal destino das exportações da indústria petrolífera da Venezuela. Os Estados Unidos são “o nosso principal cliente, pudéssemos nós vender mais…”, disse Guaidó, num encontro com especialistas em petróleo na capital Caracas.

As declarações do líder da oposição foram entendidas com uma resposta ao Presidente Nicolás Maduro, quando assegurou que os Estados Unidos estão por detrás de um golpe de Estado na Venezuela para se apoderarem dos seus recursos naturais. “Quando dizem que um país se quer apoderar das nossas riquezas é uma grande falácia, uma grande mentira”, assegurou.

Juan Guaidó também considerou que o mercado norte-americano é ideal para o crude pesado e extra-pesado recolhido pela estatal Petróleos da Venezuela (Pdvsa): “O nosso tipo de petróleo não pode ser vendido em qualquer sítio, é como se fossemos vender um gelado com muito açúcar a um diabético”, exemplificou.

No entanto, assinalou que se devem procurar novos clientes “no mundo” e recordou que a Índia se tornou no segundo importador de petróleo venezuelano.

A indústria petrolífera venezuelana está sujeita a numerosas sanções impostas pelo Governo do Presidente dos EUA, Donald Trump, que apenas serão levantadas quando Maduro renunciar à presidência, uma posição apoiada por Guaidó.

Nessa perspetiva, e para “proteger” os ativos venezuelanos fora do país, o Parlamento dominado pela oposição (Assembleia Nacional) designou uma junta administrativa para a Pdvsa e a sua filial nos Estados Unidos, Citgo, uma das principais fontes de financiamento do país.

A Assembleia Nacional também autorizou a recém-designada junta a colocar no mercado “petróleo pesado alternativo com o menor custo possível”, devido à eventual impossibilidade de ser garantido pela Pdvsa.

Na semana passada, Maduro disse que as sanções constituem uma tentativa dos Estados Unidos de despojar a Venezuela da Citgo, e ameaçou com processos judiciais a “toda a pessoa que aceite nomeações ilegais que usurpem os cargos na Pdvsa ou Citgo”.

Na quinta-feira, o procurador-geral da Venezuela, Tarek Saab, iniciou uma investigação contra os membros da junta administrativa da petrolífera estatal Petróleos de Venezuela nomeados pelo parlamento, onde a oposição tem a maioria.

“Anunciamos umas MPs [investigações] contra os cidadãos designados ilegal e inconstitucionalmente para a direção da Pdvsa e da Citgo”, disse Saab em conferência de imprensa.

Estas ações inserem-se na ofensiva da oposição destinadas a debilitar Maduro e forçá-lo a abandonar o poder, que exerce desde 2013 e que os “anti-chavistas” consideram que “usurpa” desde janeiro, quando jurou um novo mandato de seis anos, não reconhecido por diversos países, entre eles os Estados Unidos, os Estados-membros da União Europeia e alguns vizinhos sul-americanos.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres. Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes. Na Venezuela residem cerca de 300 mil portugueses ou lusodescendentes.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)