Rádio Observador

Leiria

Dimensão da candidatura de Leiria a Capital da Cultura é “absolutamente inédita”

573

A Candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura 2027 junta 25 municípios de três comunidades intermunicipais. O esponsável pela candidatura destaca dimensão do projeto no que toca a ideias.

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O coordenador do Conselho Estratégico da Candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura 2027 realçou esta sexta-feira”a dimensão absolutamente inédita” do projeto, que junta 25 municípios de três comunidades intermunicipais.

No dia em que foi apresentada no Museu de Leiria a Rede Cultura 2027, que integra os municípios envolvidos na candidatura, João Bonifácio Serra afirmou estar “muito satisfeito” com a evolução do projeto.

Esta é uma dimensão absolutamente inédita. Não apenas pelo número, mas pela natureza do que estes municípios assinaram hoje”, disse o antigo presidente da Guimarães 2012, sublinhando que a abrangência territorial “não tem paralelo em Portugal”.

Segundo o responsável pelo Conselho Estratégico, os municípios envolvidos “reconhecem que a cultura é um elemento de regeneração dos seus territórios”.

“Esse ponto é absolutamente inédito, porque coloca a questão da participação não como um objetivo a atingir, mas como um pressuposto já atingido”, referiu.

Relativamente a outras candidaturas, João Bonifácio Serra garante que a candidatura de Leiria “é a que mais tem feito neste processo, que mais tem construído ideias, que tem sabido juntar as forças e os meios para ser capaz de discutir com o júri internacional a sua validação”.

Esta candidatura está suficientemente bem colocada para se dizer que é uma candidatura viável. É muito ambiciosa, porque não se limita a dizer que quer ser candidata: está a construir-se todos os dias no terreno, peça a peça, lentamente, mas com grande segurança e grande consenso, que atravessa toda a sociedade e todos este vastíssimo território”, que, frisou, “vai de Castanheira de Pera a Alenquer e chega a Ourém, Alcanena e Torres Novas”.

A candidatura de Leiria terá também o mérito de, no conjunto dos municípios, surgir no curto prazo com “um suporte, uma retaguarda à mobilidade artística, à criação artística e à dignificação do trabalho dos criadores, o que é muito importante nesta circunstância do país e da Europa”.

Esta sexta-feira também foi anunciado que Entroncamento, Golegã e Óbidos podem vir a juntar-se ao projeto, tal como o Instituto Politécnico de Tomar. “Se houver mais municípios que manifestem vontade de aderir, isso é vantajoso e significa o reconhecimento deste trabalho”, notou João Bonifácio Serra.

Raul Castro, presidente da Câmara Municipal de Leiria, classificou como “momento histórico” a assinatura do manifesto de candidatura pelas partes envolvidas.

“Vai permitir criar uma rede cultural com os agentes culturais de cada um dos concelhos. Em conjunto, vão ganhar uma força inestimável e vão ter a capacidade de poderem apresentar-se em todo o território, para que as pessoas conheçam, fiquem sensibilizadas e comecem a apoiar mais do que tem acontecido até aqui os agentes culturais de cada um dos concelhos”.

Segundo o autarca, a candidatura a Capital Europeia da Cultura “é a grande oportunidade para uma resposta coerente para o desafio que é o desenvolvimento do território”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)