Rádio Observador

Évora

Évora Capital Europeia da Cultura é “oportunidade” para a cidade e Alentejo

Candidatura é vista como um processo que coloca a cultura como um fator decisivo no desenvolvimento das cidades e que aproxima os cidadãos da Europa em torno do seu legado comum.

O presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional destaca que esta é uma oportunidade para potenciar o desenvolvimento de Évora e do Alentejo

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A candidatura de Évora a Capital Europeia da Cultura em 2027 é “uma oportunidade” para potenciar o desenvolvimento da cidade e do Alentejo, destacou esta terça-feira o presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR), Roberto Grilo.

Esta candidatura é, certamente, um processo que coloca a cultura como um fator decisivo no desenvolvimento das cidades e da sua envolvente e que aproxima os cidadãos da Europa em torno do seu legado comum extremamente diverso e com um enorme potencial evolutivo, sendo acima de tudo uma oportunidade para a cidade e para a região”, defendeu

Para o presidente da CCDR do Alentejo, que falava à agência Lusa a propósito do recente anúncio da candidatura de Évora a Capital Europeia da Cultura em 2027, o potencial da cidade alentejana para a obtenção deste título é bem conhecido.

“A candidatura de Évora só surpreende os menos atentos a todo um passado de história, de acontecimentos e de reconhecimento associado à cidade que, desde há muito, a coloca numa posição estratégica na projeção dos valores patrimoniais, sejam culturais ou naturais, de toda a região alentejana”, frisou.

A “posição geográfica privilegiada” da cidade no contexto da Península Ibérica, devido à sua “proximidade a Lisboa e à fronteira espanhola”, com “centralidade e acessibilidades”, faz com que Évora possua “um estatuto destacado”, que remonta aos “tempos da ocupação romana”, disse.

E, continuou o presidente da CCDR Alentejo, “há todo um contexto de atenção às artes e à cultura que se revela de muitas e diversas formas e que vem projetando a cidade no panorama nacional e internacional”.

Como exemplo, Roberto Grilo lembrou que o Grupo Pró-Évora “está a comemorar 100 anos” e é “o mais antigo atualmente em Portugal a preocupar-se com a preservação e a valorização do património”.

O responsável da CCDR apontou ainda a classificação do centro histórico da cidade como Património da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), obtida em 1986, e as “várias associações e entidades” locais que “trabalham e desenvolvem os seus projetos artísticos e culturais”, como a Fundação Eugénio de Almeida, o Centro Dramático de Évora (CENDREV) ou a universidade, entre outros.

Parte integrante do Alentejo, região com “forte identidade cultural, assente nos seus valores materiais e imateriais”, Évora “pode funcionar como um polo agregador e, simultaneamente, ajudar a projetar todo o restante território”, vincou, sublinhando que a “forte ruralidade constitui uma mais valia, no cruzamento da tradição com o potencial inovador”.

A CCDR Alentejo é uma das entidades da comissão executiva da candidatura, a par da Câmara de Évora, Turismo do Alentejo e Ribatejo, Agência Regional de Promoção Turística do Alentejo, Universidade de Évora, Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central, Direção Regional de Cultura do Alentejo e Fundação Eugénio de Almeida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)