Rádio Observador

Liga Europa

Muita bola, pouca uva e a falta que faz um suíço (a crónica do Dínamo Zagreb-Benfica)

279

O Benfica fez a pior exibição da era Lage e perdeu com o Dínamo em Zagreb, ficando em desvantagem nos oitavos da Liga Europa. Seferovic saiu lesionado à meia hora e fez muita falta aos encarnados.

Seferovic saiu lesionado ainda na primeira parte e fez muita falta ao Benfica na reação ao golo sofrido

AFP/Getty Images

À entrada para o jogo desta quinta-feira, Dínamo Zagreb e Benfica estavam na mesma posição naquilo que às competições internas diz respeito, estavam ambos na liderança. Ainda assim, existia uma diferença importante entre a liderança dos croatas e a liderança dos encarnados: se o Dínamo está no primeiro lugar da Liga croata com mais 14 pontos do que o segundo, o Benfica só chegou ao topo da tabela no passado sábado e tem apenas dois pontos de vantagem face ao FC Porto. Desta forma, se Nenad Bjelica pode poupar no Campeonato para apostar na Liga Europa — onde o Dínamo está a realizar a melhor campanha dos últimos 20 anos –, com Bruno Lage a tática é diametralmente inversa: é necessário gerir nas competições europeias para não escorregar cá dentro.

Assim, e assumindo de forma clara que a prioridade é o Campeonato, Lage não convocou André Almeida e Pizzi e o Benfica viajou até à Croácia ainda sem Jonas, que sentiu dores na região lombar no último treino no Seixal e foi aconselhado a ficar em Portugal. Samaris e Rafa começavam no banco, Corchia ocupava a direita da defesa, Gedson e Florentino eram titulares no meio-campo e Krovinovic estreava-se nas opções iniciais de Lage no regresso ao país de origem. Lá à frente, sem surpresas, a dupla composta pelo miúdo de 19 anos e o suíço: João Félix e Seferovic. O Benfica apresentava então um 4x4x2 que encontrava um 4x3x3 dos croatas, com o espanhol Dani Olmo, formado nas camadas jovens do Barcelona, enquanto principal maestro da equipa de Nenad Bjelica (que cumpria um jogo de castigo e via o jogo a partir da bancada, sendo substituído no banco pelo adjunto Rene Poms).

Ficha de jogo

Dínamo Zagreb-Benfica, 1-0

Primeira mão dos oitavos de final da Liga Europa

Stadion Maksimir, em Zagreb, na Croácia

Árbitro: Michael Oliver (Inglaterra)

Dínamo Zagreb: Livaković, Stojanović, Théophile-Catherine, Dilaver, Leovac, Šunjić, Dani Olmo, Gojak (Moro, 78′), Oršić, Petković (Gavranovic, 88′), Kadzior (Situm, 84′)

Suplentes não utilizados: Zagorac, Rrahmani, Atiemwen, Peric

Treinador: Nenad Bjelica

Benfica: Odysseas, Corchia, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo, Florentino (Rafa, 59′), Gabriel, Gedson (Zivkovic, 70′), Krovinovic, João Félix, Seferovic (Cervi, 35′)

Suplentes não utilizados: Svilar, Yuri Ribeiro, Samaris, Rafa, Jota

Treinador: Bruno Lage

Golos: Petković (p, 38′)

Ação disciplinar: cartão amarelo a Leovac (68′), Stojanović (75′), Šunjić (83′)

Nos minutos iniciais, depressa se percebeu que o Benfica tinha viajado até à Croácia com uma dose valente de respeito. Apesar das poupanças no onze, os encarnados mostravam preocupação em manter a baliza inviolável e posicionavam todos os jogadores atrás da linha da bola sempre que o Dínamo Zagreb beneficiava de uma bola parada, fosse no próprio meio-campo defensivo ou já na metade do relvado defendida pelo Benfica. A verticalidade da equipa portuguesa, que tantos estragos tem causado nas competições internas, não estava a surgir e Krovinovic, de quem se esperava criatividade e coelhos tirados da cartola, esteve sempre demasiado ausente para conseguir ser influente.

Ainda assim, os encarnados foram os primeiros a criar perigo, com um pormenor de João Félix a deixar Grimaldo isolado na cara de Livaković (7′). O guarda-redes do Dínamo evitou o golo do lateral espanhol e o Benfica não voltou a beneficiar de uma verdadeira ocasião de golo. A equipa croata, com as linhas muito recuadas e o bloco francamente baixo, não permitia grandes espaços e dava a bola ao adversário, privilegiando sempre um ritmo mais lento e um jogo de transição, com Orsic e Kadzior, a jogar nos corredores, a procurar continuamente espaços mais internos e combinações com Dani Olmo: o médio espanhol, que realizou uma primeira parte de grande nível, criou várias oportunidades e o Dínamo poderia ter inaugurado o marcador com remates de Orsic (11′), do próprio Olmo (19′) e de Kadzior (29′).

Por volta da meia hora, os encarnados perderam Seferovic devido a uma lesão muscular (entrou Franco Cervi) e o setor ofensivo, que já estava algo lateralizado e sem a quota necessária de risco, tornou-se ainda mais passivo. João Félix passou a fazer de Seferovic e perdeu a capacidade de desmarcação com o objetivo de servir o colega do lado, função em que Cervi e Krovinovic estão alguns pontos abaixo. Com mais posse de bola, mas a ser goleado em remates, o Benfica acabou por sofrer o primeiro golo através de (mais) um lance de transição de Dani Olmo, mas não de bola corrida. Rúben Dias parou o médio espanhol em falta e já no interior da grande área, Michael Oliver não hesitou, assinalou de imediato grande penalidade e Petkovic na conversão bateu Vlachodimos, que ainda tocou na bola. Depois de sofrer um golo a sete minutos do intervalo, os encarnados não conseguiram criar perigo até ao final da primeira parte e estiveram mais perto de sofrer o segundo, com um lance de Gojak já nos descontos, do que propriamente de empatar. Vlachodimos, mesmo batido no penálti, era o melhor elemento da equipa de Bruno Lage e ia evitando males maiores. Na ida para o descanso, esta era apenas a terceira vez que o Benfica chegava ao final da primeira parte sem golos marcados desde que Bruno Lage chegou ao comando técnico da equipa.

No regresso para a segunda parte, Bruno Lage não fazia alterações e o Dínamo Zagreb voltava a entrar com mais faro de golo, com Orsic a fazer mais um remate perigoso logo ao terceiro minuto do segundo tempo. A partir daí, porém, a equipa croata fez aquilo que já havia feito na primeira parte: entregou a bola ao adversário, recuou no terreno, encurtou o espaço entre setores e blindou os corredores. O Benfica, num jogo de paciência demasiado lento para aquilo que se exigia mas a trocar a bola alguns metros à frente daquilo que tinha feito nos primeiros 45 minutos, não conseguia desequilibrar nos corredores, com Krovinovic com muita vontade mas pouca cabeça, Cervi com critério escasso, Gabriel a realizar uma exibição sofrível depois de ter sido um dos melhores até ser expulso no Dragão e João Félix perdido em terrenos que não são os seus.

Gedson e Florentino, ainda que muito discretos, eram os melhores elementos encarnados e asseguravam a estabilidade do meio-campo enquanto base para lançar o ataque — ação que, contudo, não tinha consequência. Florentino, que liderou em desarmes, recuperações de bola e eficácia de passe durante todo o tempo que esteve em campo, acabou por ser o sacrificado por Bruno Lage para fazer entrar Rafa, numa tentativa de dar velocidade e energia a uma equipa progressivamente apática e desconcentrada. O Dínamo Zagreb, apostado em defender, estava cada vez mais tranquilo na partida e aproveitava todas as faltas de posicionamento dos encarnados para lançar desequilíbrios e garantir que Ferro e Rúben Dias permaneciam acordados.

Aos 65 minutos, o Benfica não rematava desde o minuto 20 e Bruno Lage começava a perceber que talvez tivesse colocado em campo um onze mais defensivo do que aquele que se pedia. Depois de tirar Florentino para lançar Rafa, o treinador encarnado substituiu Gedson por Zivkovic, esgotou as alterações e sacrificou, de forma inequívoca, os dois jogadores com maior rendimento para procurar o empate que deixaria a eliminatória totalmente em aberto para a segunda mão na Luz. A entrada do sérvio, porém, foi em tudo semelhante à do internacional português: pouco ou nada fizeram, não só por culpa própria mas também por incapacidade dos colegas de equipa para os servir.

Até ao final da partida, o Benfica não criou perigo, não assustou a defesa croata e não engendrou verdadeiras oportunidades de golo. Na verdade, foi o Dínamo Zagreb que ficou mais perto de voltar a marcar, já na reta final do jogo, com duas ocasiões que apanharam a defesa encarnada totalmente desprevenida e desposicionada. A necessidade de marcar pelo menos dois golos na segunda mão na Luz não impeliu a equipa portuguesa — tal como a fúria de Bruno Lage na linha técnica não o fez –, e o Benfica permaneceu totalmente inofensivo e sem ideias para furar o bem organizado bloco defensivo croata, com uma reação inexistente à desvantagem que surpreende pela negativa. Seferovic, homem de área que foi substituído por elementos que jogam curto, com menos experiência em jogo de costas para a baliza e sem tanto faro de golo, fez muita falta aos encarnados e é, provavelmente, a maior preocupação de Bruno Lage nesta altura.

O Benfica perdeu pela segunda vez na era Lage, fez a pior exibição desde que o treinador chegou ao comando técnico dos encarnados e vai ter de anular a desvantagem croata na segunda mão na Luz (onde o Dínamo não pode contar com Leovac e Šunjić, por acumulação de amarelos). Bruno Lage procurou poupar, deixou de fora André Almeida e Pizzi mas pagou a fatura do jogo com o FC Porto através de João Félix, Seferovic e Gabriel, que estiveram muitos pontos abaixo do rendimento habitual. O Dínamo Zagreb aproveitou um erro de Rúben Dias para se colocar em vantagem e beneficiou de um Benfica passivo e apático — algo que, para infelicidade encarnada, não se via desde que o comando técnico mudou de mãos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)