Rádio Observador

Natação

Florent Manaudou, o campeão olímpico com ar de estrela de cinema que vai voltar à competição em Tóquio

Campeão olímpico em 2012, prata em 2016 e recordista mundial. Há três anos, Florent Manaudou decidiu deixar de nadar. Regressa para provar que é mais do que o piercing na língua que o tornou famoso.

O piercing na língua e a tatuagem tribal sempre foram as imagens de marca do atleta francês

Getty Images

“Não nadar faz com que, necessariamente, o queira fazer. Mas quando volto a estar dentro de água, sinto exatamente o contrário e digo ‘nunca mais’. Existe muito sofrimento e sinto mesmo que já cumpri a minha parte. Quando alcançamos os nossos sonhos, é complicado voltar. Talvez acorde uma manhã a querer voltar, mas existe uma probabilidade de 0,5% de isso acontecer”. Em julho de 2018, há oito meses, Florent Manaudou garantia que estava a divertir-se com a “nova vida” e que isso “não tem preço”. Na altura, a entrevista ao Le Figaro servia para fazer um ponto de situação na vida do outrora campeão olímpico, que tinha colocado um ponto e vírgula na carreira dois anos antes. Agora, a pouco mais de um ano dos próximos Jogos Olímpicos, o atleta francês revelou que vai voltar à natação e confirmou que acordou mesmo, “uma manhã, a querer voltar”.

“Já tinha chegado à conclusão de que queria voltar em Paris 2024, tinha pensado em regressar aos treinos em 2021 ou 2022, Tóquio não estava nos meus planos. Com o passar do tempo, depois de falar com as pessoas à minha volta, acordei uma manhã e disse a mim mesmo: ‘Ok, estou bem. Como é que vou fazer?'”, revelou o francês de 28 anos ao L’Équipe. Florent Manaudou tinha 25 anos quando, em setembro de 2016, chocou o mundo do desporto no geral e o da natação em particular ao anunciar que ia deixar, pelo menos de forma temporária, a competição ao mais alto nível. Campeão olímpico nos 50 metros livres nos Jogos de Londres, em 2012, campeão do mundo em 2013 nas estafetas 4×100 livres e novamente campeão mundial em 2015, em 50 metros livres, estafetas 4×100 livres e ainda 50 metros mariposa, perdeu a medalha de ouro em 2016, no Rio de Janeiro, para o norte-americano Anthony Ervin e decidiu parar. Até agora.

Durante a paragem na natação, Manaudou jogou na quarta divisão francesa de andebol

Filho de um antigo jogador de andebol e de uma ex-campeã holandesa de badminton e irmão mais novo de um instrutor de natação e de uma nadadora olímpica — Laure, medalha de ouro nos 400 metros livres em Atenas 2004 –, dificilmente Florent escaparia à carreira no desporto. Seguiu as pisadas dos irmãos desde os quatro anos, mas aproveitou a paragem na natação para se dedicar à modalidade do pai. Durante os dois anos e meio que passou sem competir dentro de água, o atleta de quase dois metros jogou andebol no Pays d’Aix University Handball Club, um clube da quarta divisão francesa. Pelo meio, fez pequenas participações em filmes e ainda abriu um restaurante em Marselha, o La Piscine, em parceria com o vencedor da edição francesa do programa de televisão MasterChef.

Em 2012, aos 22 anos, o francês sagrou-se campeão olímpico dos 50 metros livres

“Adoraria representar o papel de alguém completamente oposto à ideia que as pessoas têm de mim. Olham para mim como o genro perfeito, um atleta que come de forma saudável, que não bebe… enquanto que eu bebo cervejas com os meus amigos! Adorava fazer de assassino em série. Não quero cingir-me ao papel de nadador, não sou só isso!”, dizia Florent Manaudou em julho do ano passado. A vontade de regressar às piscinas e à natação, além de ter aparecido numa simples manhã depois de acordar, surgiu com as saudades da adrenalina e da alegria que, segundo diz, já não tinha nos Jogos do Rio. “Diverti-me durante este tempo, mas quero voltar a competir, a ser competitivo. Quero voltar aos treinos. Sempre gostei da adrenalina. No andebol existe mais o aspeto do jogo, enquanto que, na natação, treino para ser o melhor do mundo, ganhar medalhas olímpicas, para ter o stress que me faz odiar a derrota. É por isso que quero recomeçar”, explica o francês.

Menos de três anos depois de ter decidido colocar em pausa a carreira na natação, Manaudou — que ainda é o recordista mundial dos 50 metros livres e costas — aponta agora aos Jogos Olímpicos de 2020 e 2024. Com pouco mais de um ano de treino pela frente e sem ritmo competitivo há muitos meses, será difícil para o atleta francês voltar a lutar pelas medalhas já em Tóquio. Ainda assim, os Jogos vão assistir ao regresso de um campeão olímpico que sempre foi muito mais do que o piercing na língua que o diferenciava, a enorme tatuagem tribal que o tornava único dentro de água e a aparência de estrela de cinema que lhe abriu as portas do mundo da representação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)