Porsche

Cayenne Coupé. O BMW X6 da Porsche chega em Maio

A Porsche apresentou o Cayenne Coupé. Mais elegante e desportivo, o novo SUV pretende ser a resposta ao BMW X6, no mercado desde 2008. As primeiras unidades chegam em Maio, a partir de 120.000€.

O construtor alemão continua a apostar forte na sua gama de SUV, que hoje, com o Cayenne e o Macan, são os seus modelos mais vendidos. Agora completou a oferta do seu SUV topo de gama, o Cayenne, com uma versão mais desportiva, onde o pilar traseiro mais inclinado lhe permite reivindicar o estatuto de SUV Coupé.

A moda de transformar um SUV num modelo mais desportivo teve o seu pontapé de saída com o BMW X6, em 2008, depois seguida pela Mercedes em 2015 com o GLE Coupé e mais recentemente pela Audi, com o Q8. Essencialmente trata-se de transformar um veículo tradicionalmente pesado, volumoso e com maior altura ao solo, tudo características que estão nos antípodas do que deve ser um veículo desportivo, num SUV de aspecto ligeiramente menos “pesadão” e mais dinâmico. O que é conseguido à custa do espaço atrás, que é menor sobretudo em altura, à excepção do Q8.

O novo Cayenne Coupé da Porsche segue as pegadas da concorrência, ao propor uma carroçaria 1,8 cm mais larga e 2 cm mais baixa, com uma linha de tejadilho mais fluida e elegante, para o que contribui um pilar traseiro mais inclinado do que no Cayenne convencional.

No habitáculo, não há grandes alterações à frente, além de uma altura disponível ligeiramente inferior, para na traseira o espaço ser mais acanhado, apesar da marca montar o banco posterior numa posição 3 cm mais baixa, para minimizar os danos. O espaço atrás está concebido para duas pessoas, podendo ter em alternativa um assento para três, sendo que a bagageira disponibiliza 625 litros na versão Cayenne Coupé e apenas 600 litros na Cayenne Turbo Coupé, longe pois dos 770 e 745 litros proporcionados pelas duas versões equivalentes do Cayenne convencional.

A qualidade de construção parece continuar em excelente nível, com uma grande atenção aos detalhes, surgindo o novo Coupé com soluções como o tejadilho panorâmico, em vidro escurecido. Ou em fibra de carbono, para os que querem poupar uns gramas e não sofrer dos males de um centro de gravidade tão alto. O tejadilho possui um aileron móvel que pode assumir diferentes inclinações em função da velocidade e do modo de condução. As jantes podem ter um diâmetro de até 22 polegadas.

O novo Cayenne Coupé estará disponível no mercado português a partir de Maio, com a versão normal equipada com o V6 a gasolina de 340 cv, capaz de o impulsionar até aos 100 km/h em 6,0 segundos e atingir 243 km/h de velocidade máxima, enquanto o Turbo recorre a um motor V8 de 550 cv, que ultrapassa os 100 km/h em 3,9 segundos, alcançando 286 km/h. A caixa é sempre uma automática de dupla embraiagem e oito velocidades, com a tracção a ser integral em ambas as versões de um desportivo que anuncia um peso superior a 2,2 toneladas.

O preço proposto para a versão mais acessível do Cayenne Coupé ronda 120.000€, com o Cayenne Turbo Coupé a ser proposto por 201.000€, valores que o tornam cerca de 20.000€ mais caro do que o Cayenne convencional, aquele com mais espaço interior. Como referência, sempre podemos informar que, na Alemanha, os preços destas duas versões arrancam nos 83.000€ e 141.000€, respectivamente.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)