Rádio Observador

Água

Ciclo Urbano da Água com investimento de 500 milhões de euros

O anúncio foi feito pelo Ministro do Ambiente, que diz que "o incentivo à agregação de municípios nos sistemas que levam a água dos depósitos às nossas casas" leva ao uso mais sustentável.

ANDY RAIN/EPA

O ministro do Ambiente afirmou hoje, em Lisboa, que estão em curso investimentos de 500 milhões de euros no ciclo urbano da água, da captação, ao tratamento e distribuição. “Ao incentivarmos a agregação de municípios nos sistemas que levam a água dos depósitos às nossas casas, estamos a incentivar o uso mais sustentável do recurso, conferindo a dimensão adequada aos sistemas”, disse João Pedro Matos Fernandes na conferência “Água – novas abordagens”, a decorrer no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC).

O ministro mostrou-se satisfeito com a resposta das autarquias ao desafio lançado para agregação de sistemas em baixa: “Responderam 55 municípios, um investimento de 207 milhões de euros, que requer 157 milhões do Fundo de Coesão, bastante acima do teto de 100 milhões que estabelecemos”. O uso da água, sustentou, tem de ser “parcimonioso” entre as entidades que gerem sistemas de abastecimento e de saneamento, para evitar perdas estimadas em 30% da água distribuída em Portugal.

Apelando para um uso racional da água nos consumos domésticos, o governante defendeu também que a eficiência dos sistemas de rega tem de melhorar, com a generalização de contadores nas captações e a “reparação pronta de roturas”, bem como a adoção de rega em “horários apropriados”.

Estão igualmente a ser promovidos planos de ação pelas entidades gestoras das 50 Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) urbanas com maior potencial para a reutilização, para alcançar as metas de 10% de taxa de reutilização de águas residuais tratadas, em 2025, e de 20% em 2030. “Graças ao Fundo Ambiental, apoiaremos com 200 mil euros um projeto de produção e utilização da água para reutilização na atividade de regadio do Alentejo”, que será desenvolvido pela AdP, a EDIA, o Centro de Competências para o Regadio Nacional e a EFACEC, indicou.

Entre as medidas enunciadas, está igualmente um diploma que estabelece o regime de produção e utilização de água para reutilização e um guia de apoio ao exercício da atividade associada. O ministro deu conta de uma campanha já em curso, protagonizada pelo humorista Herman José, destinada a sensibilizar a população para a poupança de água. “Não é só na cozinha que desperdiçamos água. Num duche de 15 minutos, com a torneira aberta, consumimos cerca de 180 litros”, exemplificou. O ministro referiu que a água está sujeita a uma procura cada vez maior, com acentuados desequilíbrios em termos de oferta e de disponibilidade, um fator agravado pelas alterações climáticas.

Segundo as previsões do Programa das Nações Unidas para o Ambiente, a procura de água irá exceder os recursos viáveis em 40% até 2030. “Não é a água que deve adaptar-se aos nossos sistemas, são os nossos sistemas que têm de mudar para garantir a qualidade deste ciclo”, defendeu.

De acordo com o ministro, está a ser iniciada “uma revisão” para criar o Regulamento Geral dos Sistemas Públicos e Prediais de Abastecimento de Água, de Águas Residuais e Pluviais. “Queremos simplificar e harmonizar conceitos, integrar, pela primeira vez, o uso eficiente de água nestes sistemas, definir os requisitos técnicos para o aproveitamento de águas pluviais e de reutilização de águas cinzentas em edifícios”, avançou, acrescentando que a proposta será apresentada “em breve”, num evento que contará com a o apoio da Ordem dos Engenheiros.

No Dia Mundial da Água, que hoje se assinala, o ministro recordou os efeitos dos incêndios nas linhas de água para dizer que em 67 municípios atingido pelos fogos de 2017 e 2018, houve 950 quilómetros de linhas de água “beneficiárias de fundos de cerca de 16,5 milhões de euros”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)