Rádio Observador

Ciclismo

Ciclista João Rodrigues conquista primeira vitória na Volta ao Alentejo

João Rodrigues somou a primeira vitória da carreira, no contrarrelógio da quinta etapa da Volta ao Alentejo. E está mais perto da camisola amarela da final. Já tinha ficado em 9º na Volta a Portugal

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O ciclista português João Rodrigues (W52-FC Porto) somou este sábado a primeira vitória da carreira, no contrarrelógio da quinta etapa da Volta ao Alentejo, e pode ter agarrado a camisola amarela final. Foram 12.45 minutos para cumprir os 8,4 quilómetros em Castelo de Vide, apenas menos três do que o português Luís Mendonça (Rádio Popular-Boavista), vencedor em 2018, e quatro do que o espanhol Raul Alarcón (W52-FC Porto), que conquistou as duas últimas Voltas a Portugal.

Para o algarvio, de 24 anos, esta foi a primeira vitória da carreira, naquele que está a ser um excelente início de temporada, depois do nono lugar na competitiva Volta ao Algarve. “Nada está ganho, falta um dia e tudo pode acontecer. Ainda nem estou a acreditar [na vitória]. Esta é a minha primeira vitória de toda a minha carreira como ciclista e está a ser um momento muito especial”, disse um ainda incrédulo e emocionado João Rodrigues.

Habitual trabalhador para os companheiros, como se viu na última Volta a Portugal, em que foi um dos ‘braços direitos’ de Alarcón, João Rodrigues pode agora somar o seu primeiro triunfo em competições por etapas. Mas, ainda com 152 quilómetros para fazer, na ligação entre Portalegre e Évora, Rodrigues quer ir “com calma” e aproveitar o momento, até porque tem Luís Mendonça a apenas três segundos e “tudo pode acontecer”.

Desolado por perder o ‘crono’ por apenas três segundos, Luís Mendonça, que cumpriu o que prometera de vir a “1000 à hora”, ainda não atirou a ‘toalha ao chão’ e lembra que a chegada à Praça do Giraldo pode sempre proporcionar cortes. “Perder por três segundos é duro, ainda estou a gerir. Amanhã [sábado] aquela chegada dá cortes, certamente, e eu vou lutar. Enquanto houver corrida há esperança e não vou deixar esta camisola ir assim de mão beijada, vou lutar até ao fim”, afirmou, à agência Lusa.

Mendonça pode ser o primeiro ciclista a vencer a ‘Alentejana’ em dois anos seguidos e já tinha vestido a camisola amarela na quarta etapa, disputada de manhã, entre Ponte de Sor e Portalegre (74,3 quilómetros). O grande vencedor em Portalegre tinha sido o colombiano Sergio Higuita (Euskadi), um dos elementos de um grupo de nove ciclistas que passou o Cabeço do Mouro, uma contagem de segunda categoria, a menos de seis quilómetros da meta, para chegar à meta e vencer.

O colombiano, que em maio se vai mudar para a Education First, do World Tour, venceu em 1:56.28 horas, à frente do espanhol Mario Gonzalez (Euskadi-Murias), ex-ciclista do Sporting-Tavira, e do norueguês Tobias Foss (Uno X). “Sinto-me muito feliz. A equipa vinha mentalizada para trabalhar muito para ganhar a etapa. Foi a primeira vitória como profissional e estou muito feliz por consegui-la com as cores da Euskadi”, disse Higuita.

As duas etapas deste sábado definiram já o vencedor do prémio da montanha, que será o neozelandês James Fouché (Team Wiggins), com Luís Mendonça e Tobias Foss a terem praticamente asseguradas as camisolas dos pontos e da juventude, respetivamente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)