Jesús Corona tem sido um dos jogadores mais utilizados por Sérgio Conceição ao longo da temporada do FC Porto. Polivalente, forte no um para um e com qualidade para ocupar várias posições dentro de campo, foi um dos elementos fulcrais da equipa dos dragões que se sagrou campeã nacional em maio do ano passado e é um nomes maiores do conjunto que procura o bicampeonato. Por tudo isto e mais alguma coisa, a convocatória para o duplo compromisso da seleção mexicana — particulares de preparação para a Copa América — era mais do que esperada.

Gerardo Tata Martino, que deixou o Atlanta United dos Estados Unidos depois de vencer a MLS para treinar a seleção mexicana, convocou Corona para os jogos contra o Chile e o Paraguai, no passado sábado e esta terça-feira, mas o médio do FC Porto acabou por não se juntar à concentração do México. O motivo, rapidamente explicado pela imprensa do país da América Central, seria uma lesão no tornozelo. Até aqui, tudo mais ou menos normal: mas o episódio Corona tornou-se novela Corona com as declarações do selecionador nacional mexicano.

“Falei ao telefone com o Corona uns 17 ou 18 dias antes de elaborar a convocatória. Disse-me que estava bem. No sábado falou com um dos médicos e disse-lhe que estava a jogar infiltrado. No domingo [10 de março, dois dias antes da divulgação da convocatória], tive eu próprio um contacto com ele e fiz-lhe ver a necessidade de estar presente, mesmo sem possibilidades de treinar ou jogar. Era importante estar connosco, conhecer a nossa forma de trabalhar, mesmo que fosse necessário fazer aqui a recuperação da lesão. No primeiro contacto, Corona esteve de acordo. Mas, cinco horas depois, telefonou-me e disse-me que tinha optado por recuperar em Portugal e não se sentia bem para viajar”, revelou Tata Martino em declarações à Univision Deportes, acrescentando ainda que a decisão do jogador do FC Porto “não começa e acaba aqui” e existirão “repercussões no futuro”.

O selecionador mexicano acusou o FC Porto de mentir em relação à condição física de Corona

Face às afirmações do selecionador do México, o FC Porto decidiu emitir um comunicado oficial e justificar a ausência de Jesús Corona dos trabalhos da seleção. O clube explicou que o médio se lesionou durante o jogo com o Benfica no Dragão, no dia 2 de março, “na sequência de uma entrada dura de um adversário”, e foi diagnosticado com “uma entorse traumática no tornozelo esquerdo”.

“A partir desse dia e até à data do último jogo, a 16 de Março, não mais treinou, tendo apenas realizado tratamentos com o objetivo de desinflamar e reduzir a dor para conseguir jogar. Nunca durante este período o jogador foi obrigado a jogar, tendo-o feito apenas por vontade própria e por opção do treinador. Num dos jogos, conforme já é do conhecimento público, o jogador teve necessidade de ser infiltrado, apenas com anestésico, para suportar a dor e conseguir jogar. A seleção mexicana, através do seu Departamento Médico, foi informada da lesão do jogador e da sua impossibilidade para treinar no período preparatório das seleções, sendo que o próprio Corona se disponibilizou para se deslocar ao México e ser avaliado pelos médicos da seleção mexicana. Tendo em conta que a deslocação do jogador implicaria pelo menos a perda de três dias de tratamento, foi posteriormente decidido entre a seleção e o atleta que já não valeria a pena a deslocação até ao México, dado que Corona não iria poder treinar e perderia os mencionados dias de tratamento”, acrescentou o FC Porto.

O médio do FC Porto esteve no Mundial da Rússia com a seleção mexicana: nessa altura, ainda era Juan Carlos Osorio o selecionador nacional

O assunto parecia sanado, explicado e resolvido — mas só até esta segunda-feira. Em entrevista ao jornal mexicano Récord, Tata Martino voltou a comentar a ausência de Jesús Corona e acusou o FC Porto de mentir acerca da condição clínica do médio. “Fazendo referência a tudo o que se passou, não quero dizer que são mentiras, mas são mentiras. Depois de tudo isto, seguramente falaremos com o jogador e é isso que me interessa. A mim o que me interessa é falar com o jogador. Com o representante posso falar sem problema nenhum, mas não o fiz. Aqui, resumidamente, o que achamos é que o jogador não deve sair prejudicado”, declarou o selecionador do México.

A verdade é que o México já jogou (e venceu) no passado sábado com o Chile e volta a jogar esta terça-feira com o Paraguai e Jesús Corona permaneceu no Porto a realizar tratamento e exercícios específicos de treino. A relação entre a seleção mexicana e o FC Porto, essa, saiu beliscada: e é preciso recordar que, além de Corona, os dragões têm ainda no plantel o também mexicano Héctor Herrera, capitão de equipa no clube e um dos capitães da seleção.