Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Jesús Corona tem sido um dos jogadores mais utilizados por Sérgio Conceição ao longo da temporada do FC Porto. Polivalente, forte no um para um e com qualidade para ocupar várias posições dentro de campo, foi um dos elementos fulcrais da equipa dos dragões que se sagrou campeã nacional em maio do ano passado e é um nomes maiores do conjunto que procura o bicampeonato. Por tudo isto e mais alguma coisa, a convocatória para o duplo compromisso da seleção mexicana — particulares de preparação para a Copa América — era mais do que esperada.

Gerardo Tata Martino, que deixou o Atlanta United dos Estados Unidos depois de vencer a MLS para treinar a seleção mexicana, convocou Corona para os jogos contra o Chile e o Paraguai, no passado sábado e esta terça-feira, mas o médio do FC Porto acabou por não se juntar à concentração do México. O motivo, rapidamente explicado pela imprensa do país da América Central, seria uma lesão no tornozelo. Até aqui, tudo mais ou menos normal: mas o episódio Corona tornou-se novela Corona com as declarações do selecionador nacional mexicano.

“Falei ao telefone com o Corona uns 17 ou 18 dias antes de elaborar a convocatória. Disse-me que estava bem. No sábado falou com um dos médicos e disse-lhe que estava a jogar infiltrado. No domingo [10 de março, dois dias antes da divulgação da convocatória], tive eu próprio um contacto com ele e fiz-lhe ver a necessidade de estar presente, mesmo sem possibilidades de treinar ou jogar. Era importante estar connosco, conhecer a nossa forma de trabalhar, mesmo que fosse necessário fazer aqui a recuperação da lesão. No primeiro contacto, Corona esteve de acordo. Mas, cinco horas depois, telefonou-me e disse-me que tinha optado por recuperar em Portugal e não se sentia bem para viajar”, revelou Tata Martino em declarações à Univision Deportes, acrescentando ainda que a decisão do jogador do FC Porto “não começa e acaba aqui” e existirão “repercussões no futuro”.

O selecionador mexicano acusou o FC Porto de mentir em relação à condição física de Corona

Face às afirmações do selecionador do México, o FC Porto decidiu emitir um comunicado oficial e justificar a ausência de Jesús Corona dos trabalhos da seleção. O clube explicou que o médio se lesionou durante o jogo com o Benfica no Dragão, no dia 2 de março, “na sequência de uma entrada dura de um adversário”, e foi diagnosticado com “uma entorse traumática no tornozelo esquerdo”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“A partir desse dia e até à data do último jogo, a 16 de Março, não mais treinou, tendo apenas realizado tratamentos com o objetivo de desinflamar e reduzir a dor para conseguir jogar. Nunca durante este período o jogador foi obrigado a jogar, tendo-o feito apenas por vontade própria e por opção do treinador. Num dos jogos, conforme já é do conhecimento público, o jogador teve necessidade de ser infiltrado, apenas com anestésico, para suportar a dor e conseguir jogar. A seleção mexicana, através do seu Departamento Médico, foi informada da lesão do jogador e da sua impossibilidade para treinar no período preparatório das seleções, sendo que o próprio Corona se disponibilizou para se deslocar ao México e ser avaliado pelos médicos da seleção mexicana. Tendo em conta que a deslocação do jogador implicaria pelo menos a perda de três dias de tratamento, foi posteriormente decidido entre a seleção e o atleta que já não valeria a pena a deslocação até ao México, dado que Corona não iria poder treinar e perderia os mencionados dias de tratamento”, acrescentou o FC Porto.

O médio do FC Porto esteve no Mundial da Rússia com a seleção mexicana: nessa altura, ainda era Juan Carlos Osorio o selecionador nacional

O assunto parecia sanado, explicado e resolvido — mas só até esta segunda-feira. Em entrevista ao jornal mexicano Récord, Tata Martino voltou a comentar a ausência de Jesús Corona e acusou o FC Porto de mentir acerca da condição clínica do médio. “Fazendo referência a tudo o que se passou, não quero dizer que são mentiras, mas são mentiras. Depois de tudo isto, seguramente falaremos com o jogador e é isso que me interessa. A mim o que me interessa é falar com o jogador. Com o representante posso falar sem problema nenhum, mas não o fiz. Aqui, resumidamente, o que achamos é que o jogador não deve sair prejudicado”, declarou o selecionador do México.

A verdade é que o México já jogou (e venceu) no passado sábado com o Chile e volta a jogar esta terça-feira com o Paraguai e Jesús Corona permaneceu no Porto a realizar tratamento e exercícios específicos de treino. A relação entre a seleção mexicana e o FC Porto, essa, saiu beliscada: e é preciso recordar que, além de Corona, os dragões têm ainda no plantel o também mexicano Héctor Herrera, capitão de equipa no clube e um dos capitães da seleção.