Ministério da Cultura

Ministra da Cultura destaca papel da cultura para “coesão social e paz”

A ministra da Cultura falava numa cerimónia de entrega de 2 quadros de Bento Coelho da Silveira ao Museu Nacional de Arte Antiga, doadas pelo Imamat Ismaili e a Rede Aga Khan para o Desenvolvimento.

A ministra da Cultura falava esta sexta-feira numa cerimónia de entrega de dois quadros do pintor Bento Coelho da Silveira ao Museu Nacional de Arte Antiga

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, destacou esta sexta-feira, em Lisboa, o papel da cultura como instrumento para “conseguir coesão social e paz” nas comunidades, numa altura em que se vivem “tempos desafiantes”. A tutelar da pasta da cultura falava numa cerimónia de entrega de dois quadros do pintor Bento Coelho da Silveira (1617-1708) ao Museu Nacional de Arte Antiga, doadas pelo Imamat Ismaili e a Rede Aga Khan para o Desenvolvimento.

“Vivemos tempos desafiantes, e temos de passar para as próximas gerações a nossa cultura e história, para que os tempos não regridam”, alertou a ministra, sublinhando a cooperação entre o Estado português e aquela comunidade.

Na cerimónia estavam presentes Aga Khan, o 49.º Íman hereditário e líder espiritual dos muçulmanos xiitas ismaelitas, o irmão, o príncipe Amyn Aga Khan, o diretor do Museu Nacional de Arte Antiga, António Filipe Pimentel, e algumas dezenas de convidados.

Da autoria do pintor régio de D.Pedro II, além das duas obras destinadas ao Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, haverá uma outra para o Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto. Ao Museu Nacional de Arte Antiga foram agora entregues as telas “Repouso no regresso do Egipto” e “Virgem com o menino e a visão da Cruz”, enquanto no Museu Nacional Soares dos Reis ficará, nos próximos meses, a “Apresentação da Virgem no Templo”.

“Esta doação mostra que podemos trabalhar juntos para que a arte possa estar acessível ao domínio público”, disse Graça Fonseca, no seu discurso, em inglês, tal como os outros oradores, defendendo que “as pinturas devem ser vistas pelas pessoas, e ser um veículo para contar a história e a cultura de um país”. A ministra agradeceu ainda “o trabalho que Aga Khna tem realizado em Portugal ao longo dos anos”, nomeadamente em projetos de inclusão social, e com as comunidades.

Por seu turno, o príncipe Amyn Aga Khan disse que a doação em causa “é um reflexo do compromisso de fazer parte da vida cultural deste país”. “Os quadros estavam originalmente no Palacete Mendonça [em Lisboa, adquirido para ali ser criada a nova sede da comunidade ismaili], e decidimos que deveriam estar acessíveis ao público em geral”, explicou. “Sentimos que seria o sítio ideal para estes dois quadros”, acrescentou o príncipe, falando também em nome do irmão, que não discursou.

Por outro lado, Amyn Aga Khan fez questão de agradecer ao diretor do MNAA, António Filipe Pimentel, a sua atividade como diretor daquela instituição, a qual deverá deixar em junho, depois de ter decidido não se recandidatar ao lugar. “Uma das minhas intenções era agradecer ao meu amigo, pelo excelente trabalho que fez no museu nos últimos dez anos, e à sua equipa. Os meus parabéns”, disse. E acrescentou: “Como Portugal não é só Lisboa, também é Porto, e outras cidades, decidimos doar um terceiro quadro ao Museu Nacional Soares dos Reis”.

Recordou ainda o apoio que a Fundação Aga Khan deu à aquisição, na campanha pública “Vamos colocar o Sequeira no lugar certo”, da pintura “Adoração dos Magos”, de Domingos Sequeira, de 1828. A Fundação Aga Khan apoiou, na altura, a compra da obra com 200 mil euros, um terço do valor total pelo qual foi adquirido para o museu, em 2016. “Essa campanha mostrou que existe um apoio público à cultura neste país. Nós queremos fazer parte desse apoio”, salientou ainda.

Depois de terem observado a exposição das duas obras doadas, os dois príncipes Aga Khan foram levados pelo diretor do museu a apreciar “Adoração dos Magos”, que consideraram “sublime”. Por seu turno, António Filipe Pimentel, agradeceu a “generosa doação” da parte da comunidade ismaili, das duas novas obras, apontando que “serão exibidas com a dignidade que merecem”, naquele no museu.

As entidades estabeleceram um acordo, em 2015, com o Estado Português, para instalação da sede mundial do Imamat Ismaili, em Lisboa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ministério da Cultura

Quadros que não sabem estar

Gonçalo Sobral Martins
445

Depois do real estate de Sócrates que não é de Sócrates, dos quadros da «Coleção Berardo» que não são de Berardo, temos agora as 170 obras do Estado que "apenas precisam de uma localização mais exata"

Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)