A diminuição do preço dos passes de transporte em Lisboa, a partir de segunda-feira, não assusta a maior parte do setor do táxi, que se mostra, com exceção de uma associação, despreocupado quanto ao impacto no negócio.

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), Carlos Ramos, não acredita que a introdução dos novos passes Navegante, mais baratos e mais atrativos, “vá ter um impacto”.

O presidente da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), Florêncio Almeida, entende também que os passes “não afetam nada”, podendo, “pelo contrário, trazer vantagens para o setor dos táxis”.

“É previsível que haja alguma alteração porque vai haver mais gente a deixar o carro em casa (por terem comprado passe de forma a ficar mais económico) e, eventualmente, em alguma situação, podem ter de apanhar um táxi”, disse à Lusa Carlos Ramos, uma opinião partilhada por Florêncio Almeida.

Ambos os representantes das associações consideram que o impacto desta medida não é comparável ao do impacto causado pela introdução das plataformas eletrónicas de transporte de passageiros em veículos descaracterizados (TVDE), cuja atividade tem sido fortemente contestada pela FPT e pela ANTRAL.

Pelo contrário, Pedro Pinto, membro fundador da recém-criada Associação Portuguesa para a Mobilidade (APMobi), crê que, “se nada for feito para tornar os preços dos táxis mais competitivos, esta redução dos preços dos passes urbanos vai afetar de forma bastante significativa o setor, talvez até mais do que afetou a chegada das plataformas TVDE”.

Apesar de os táxis terem um “papel cada vez mais preponderante em curtas distâncias e como complemento a outros serviços de transportes públicos”, o representante reconhece que o setor “continua estagnado e com regras que não são alteradas há décadas”.

“Hoje em dia mobilidade significa flexibilidade (de preços, de fronteiras, de serviços) e se o setor dos táxis quer fazer parte desta nova mobilidade tem de mudar”, concluiu.

Vítor Mendes, Elias Sambu e Nuno Hungria, taxistas na cidade de Lisboa ouvidos pela Lusa numa praça de táxis, consideram que o setor não sairá afetado depois do dia 01 de abril.

Mais otimista está Nuno Hungria, para quem o aumento da compra do passe “leva as pessoas a deixar o carro em casa e, numa altura em que haja um imprevisto nos transportes ou atrasos, podem ter de recorrer aos táxis.”

Elias Sambu frisou que “a população vai continuar a andar de transportes públicos porque as necessidades de quem anda de táxi e de quem anda de transportes públicos são diferentes”. O taxista apontou o exemplo da sua própria família, que “não apanha táxis e utiliza os passes, que muito ajudam, ainda mais agora”.

A generalidade dos taxistas entrevistados pela Lusa mostrou-se despreocupada quanto a alguma alteração no setor dos táxis devido à descida do preço dos passes, acreditando que, caso aconteça, será de forma positiva.

A partir de segunda-feira, o novo passe Navegante Metropolitano custa no máximo 40 euros mensais por utente e permite viajar em todos os operadores de transportes públicos na Área Metropolitana de Lisboa (AML).

São também criados 18 passes Navegante Municipal, um para cada dos 18 concelhos que integram a AML e, neste caso, permite apenas viajar no concelho para o qual foi adquirido por 30 euros.

As crianças até ao mês em que completam os 13 anos podem viajar gratuitamente em toda a AML com o cartão Lisboa Viva (no qual se carrega o passe) e são mantidos os atuais descontos para estudantes, reformados, pensionistas e carenciados, tendo como referência os novos preços.