História

De Fidel Castro para Roosevelt e de Gandhi para Hitler: neste site encontra cartas de figuras históricas

541

Fidel tinha 12 anos quando escreveu ao Presidente dos EUA: "Se puder, dê-me uma nota de dez dólares americanos". Esta e outras cartas originais podem ser lidas na íntegra em Letters of Note.

A carta que Fidel mandou a Roosevelt dizendo ser "um rapaz que pensa muito"

Autor
  • Catarina Germano Marques

Há um novo site onde é possível ler mensagens trocadas entre várias figuras públicas e históricas de todo o mundo, noticia o jornal The Guardian. O Letters of Note, com cerca de 900 cartas, é “uma tentativa de reunir e organizar as cartas, postais, telegramas, faxes e memorandos fascinantes”, diz o autor do site.

A ideia surgiu pela mão de Shaun Usheré, um editor britânico que tem como hobbie desde 2009 juntar as palavras dos outros. O trabalho de pesquisa de Usheré é intenso e os “documentos falsos são descartados”, depois as cartas verdadeiras são fotografadas ou digitalizadas e vão logo para o site, que é “atualizado com a maior frequência possível, geralmente todas as semanas”.

Na plataforma online que reúne as cartas, há uma série de personalidades famosas de todas as partes do mundo. O Letters of Note já tem, segundo o The Guardian, mais de 1 milhão de leitores por semana, e até já deu origem a um livro com o mesmo nome, publicado em 2013.

Entre todas as cartas, saltam à vista, por exemplo, a carta de suicídio da escritora britânica Virginia Woolf, 1941, ou a carta que Fidel Castro escreveu, com apenas 12 anos, a Franklin Roosevelt em 1939. Na carta do ex-líder cubano ao ex-presidente dos Estados Unidos é possível ler: “Eu tenho doze anos. Eu sou um rapaz e penso muito, mas não acho que esteja a escrever para o presidente dos Estados Unidos. Se puder, dê-me uma nota de dez dólares americanos, na carta, porque eu nunca vi uma nota de dez dólares americanos e gostava de ter uma. (…) Se quiser ferro para construir os navios eu mostro-lhe as maiores minas de ferro da terra. São as minas de Mayari, em Cuba”.

Também a carta de Mahatma Gandhi escrita a Hitler em 1939 está no site. O grande pacifista indiano pedia paz àquele que foi um dos maiores ditadores da história contemporânea. “É claro que hoje é a pessoa no mundo capaz de prevenir uma guerra que pode reduzir a humanidade a um estado selvagem.”


Contudo, a carta mais lida foi escrita por Jourdon Anderson, um afro-americano escravizado durante 32 anos que foi libertado por soldados norte-americanos, depois de viver numa plantação em cativeiro. A carta de Jourdon Anderson  foi escrita um ano depois de ele conhecer a liberdade e chama-se “Para o Meu Antigo Mestre”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)