Justiça

Sérgio Moro em Lisboa para debater justiça e segurança

1.560

Sérgio Moro, ministro de Jair Bolsonaro, senadores, deputados e governadores, juízes e académicos brasileiros e portugueses vão debater Justiça e Segurança no Fórum Jurídico de Lisboa.

Sérgio Moro vai estar em Lisboa para debater temas de justiça e segurança

Isaac Amorim HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Sérgio Moro, ministro de Jair Bolsonaro, senadores, deputados e governadores, juízes e académicos brasileiros e portugueses vão debater Justiça e Segurança no Fórum Jurídico de Lisboa, a partir de segunda-feira, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Durante três dias, o VII Fórum Jurídico de Lisboa, com abertura do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai analisar e debater soluções, ações e políticas públicas nos domínios da segurança, criminalidade organizada, reformas da Justiça e inteligência artificial, além de ‘fake news’, redes sociais e inteligência artificial.

O ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil, Sérgio Moro, o juiz do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Ferreira Mendes, e o juiz do Superior Tribunal de Justiça, Luis Felipe Salomão, entre outros, integram o grupo de oradores do Fórum Jurídico, iniciativa promovida pelo Instituto de Ciências Jurídico-Políticas (ICJD) da Faculdade de Direito de Lisboa, pelo Centro de Investigação de Direito Público (CIDP) da Universidade de Lisboa e a Fundação Getúlio Vargas (Brasil).

“O tema da Justiça e Segurança é extraordinariamente importante para a parte brasileira”, referiu à Lusa o professor catedrático, presidente do ICJD e coordenador científico do CIDP, Carlos Blanco de Morais, um dos três elementos da coordenação científica do VII Fórum Jurídico-Científico.

Carlos Blanco Morais justificou a escolha dos temas Justiça e Segurança pelo facto de estarem em curso “dois grandes projetos de reforma” e de “revisão constitucional” no Brasil.

“Um é a Segurança Social e outro a Segurança Pública, bem como questões relacionadas com a organização da Justiça. Para a parte brasileira, este tema foi considerado essencial. Obviamente que a parte da Segurança Social também interessa à parte portuguesa, bem como diversos temas”, explicou.

O académico destacou que o VII Fórum Jurídico de Lisboa abordará os problemas do Brasil relacionados com a segurança, a corrupção, o crime organizado e a violência, com Portugal, com “pilares culturais comuns”, a poder contribuir “para correto enquadramento das mudanças institucionais e na promoção das mudanças jurídicas no Brasil”.

“O ministro Sérgio Moro é, precisamente, quem tem a tutela da Justiça e Segurança Pública e obviamente que interessa ouvir o membro do Governo falar do Projeto de Revisão Constitucional brasileiro, que está em vias de ser tramitado no Congresso, que envolve alterações à própria Constituição, a par de um pacote legislativo.

O terceiro e último dia do VII Fórum Jurídico de Lisboa será preenchida com um ‘workshop’ subordinado ao tema “Redes Sociais, Informação e Democracia”, com os painéis “Democracia, Imprensa Profissional e Redes Sociais”, “Hate Speech, Fake News e Redes Sociais”, “Regulação da Informação no Ciberespaço” e “Robótica e Inteligência Artificial”.

O ‘workshop’ integra o VII Fórum Jurídico de Lisboa porque “é uma matéria extrordinariamente importante, porque, como se sabe, sobretudo em período eleitoral, a imprensa e as redes sociais são muitas vezes objeto de notícias que podem ser distorcidas ou falsificadas”.

Carlos Blanco de Morais lembrou a iniciativa da agência Lusa na promoção da conferência “Combate às Fake News – Uma Questão Democrática”, em fevereiro, e sublinhou que a matéria “vai ser tratada agora numa dimensão não só política como jurídica”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)