Rádio Observador

Justiça

Sérgio Moro em Lisboa para debater justiça e segurança

1.560

Sérgio Moro, ministro de Jair Bolsonaro, senadores, deputados e governadores, juízes e académicos brasileiros e portugueses vão debater Justiça e Segurança no Fórum Jurídico de Lisboa.

Sérgio Moro vai estar em Lisboa para debater temas de justiça e segurança

Isaac Amorim HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Sérgio Moro, ministro de Jair Bolsonaro, senadores, deputados e governadores, juízes e académicos brasileiros e portugueses vão debater Justiça e Segurança no Fórum Jurídico de Lisboa, a partir de segunda-feira, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Durante três dias, o VII Fórum Jurídico de Lisboa, com abertura do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai analisar e debater soluções, ações e políticas públicas nos domínios da segurança, criminalidade organizada, reformas da Justiça e inteligência artificial, além de ‘fake news’, redes sociais e inteligência artificial.

O ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil, Sérgio Moro, o juiz do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Ferreira Mendes, e o juiz do Superior Tribunal de Justiça, Luis Felipe Salomão, entre outros, integram o grupo de oradores do Fórum Jurídico, iniciativa promovida pelo Instituto de Ciências Jurídico-Políticas (ICJD) da Faculdade de Direito de Lisboa, pelo Centro de Investigação de Direito Público (CIDP) da Universidade de Lisboa e a Fundação Getúlio Vargas (Brasil).

“O tema da Justiça e Segurança é extraordinariamente importante para a parte brasileira”, referiu à Lusa o professor catedrático, presidente do ICJD e coordenador científico do CIDP, Carlos Blanco de Morais, um dos três elementos da coordenação científica do VII Fórum Jurídico-Científico.

Carlos Blanco Morais justificou a escolha dos temas Justiça e Segurança pelo facto de estarem em curso “dois grandes projetos de reforma” e de “revisão constitucional” no Brasil.

“Um é a Segurança Social e outro a Segurança Pública, bem como questões relacionadas com a organização da Justiça. Para a parte brasileira, este tema foi considerado essencial. Obviamente que a parte da Segurança Social também interessa à parte portuguesa, bem como diversos temas”, explicou.

O académico destacou que o VII Fórum Jurídico de Lisboa abordará os problemas do Brasil relacionados com a segurança, a corrupção, o crime organizado e a violência, com Portugal, com “pilares culturais comuns”, a poder contribuir “para correto enquadramento das mudanças institucionais e na promoção das mudanças jurídicas no Brasil”.

“O ministro Sérgio Moro é, precisamente, quem tem a tutela da Justiça e Segurança Pública e obviamente que interessa ouvir o membro do Governo falar do Projeto de Revisão Constitucional brasileiro, que está em vias de ser tramitado no Congresso, que envolve alterações à própria Constituição, a par de um pacote legislativo.

O terceiro e último dia do VII Fórum Jurídico de Lisboa será preenchida com um ‘workshop’ subordinado ao tema “Redes Sociais, Informação e Democracia”, com os painéis “Democracia, Imprensa Profissional e Redes Sociais”, “Hate Speech, Fake News e Redes Sociais”, “Regulação da Informação no Ciberespaço” e “Robótica e Inteligência Artificial”.

O ‘workshop’ integra o VII Fórum Jurídico de Lisboa porque “é uma matéria extrordinariamente importante, porque, como se sabe, sobretudo em período eleitoral, a imprensa e as redes sociais são muitas vezes objeto de notícias que podem ser distorcidas ou falsificadas”.

Carlos Blanco de Morais lembrou a iniciativa da agência Lusa na promoção da conferência “Combate às Fake News – Uma Questão Democrática”, em fevereiro, e sublinhou que a matéria “vai ser tratada agora numa dimensão não só política como jurídica”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)