Rádio Observador

Enfermeiros

Sobraram 246 mil euros do crowdfunding que financiou greve dos enfermeiros

288

O grupo que criou um fundo de greve através de crowdfunding para apoiar os enfermeiros divulgou o seu relatório de contas no Facebook: gastou 180 mil euros. Mas "a luta ainda não terminou", avisa.

Ainda não foi divulgado em que próximas iniciativas vai ser aplicado o montante que sobrou

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O grupo “Greve Cirúrgica” tem ainda cerca de 246 mil euros de fundos conseguidos por crowdfunding — angariação de fundos através de plataformas digitais — feito para ajudar os enfermeiros, conclui o relatório de contas divulgado pelo movimento nesta quinta-feira, no Facebook, e noticiado nesta sexta-feira pelo jornal Público. As contas mostram que o Grupo gastou apenas cerca de 180 mil euros nas duas paralisações feitas no final de 2018 e no início de 2019 que causaram muitas perturbações nos funcionamento dos blocos operatórios dos hospitais públicos. Da primeira greve restaram 42.157 euros que se somaram aos 384.836 euros angariados para a segunda greve totalizando assim 426.933 euros.

O grupo lembra ainda que, do valor total angariado, é retirado pela plataforma PPL o correspondente ao IVA (23%) e à comissão pelo trabalho. Os dados indicam também que foram gastos 180.869 em doações e despesas de manutenção de conta, havendo um remanescente de 246.124 euros.

Voltamos a agradecer todos os contributos dos colegas em prol desta luta nunca antes tentada e, naturalmente, aos…

Posted by GREVE Cirúrgica on Thursday, April 25, 2019

O grupo agradece aos principais sindicatos, o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR) o ASPE, pelo apoio nestas greves e afirma: “Não vamos parar por aqui”. Ainda não é conhecido o destino destes fundos. Contudo, ao Público, o enfermeiro Nélson Cordeiro que está como fiel depositário deste valor, afirmou: “Não quero ficar com um cêntimo, sequer. Estamos a tratar este assunto com responsabilidade e muita transparência”.

O que queremos é que o dinheiro seja usado em benefício desta luta que ainda não terminou. Não vamos parar. Estamos numa fase de balanço e a aguardar o resultado das negociações dos sindicatos com o Governo”, afirmou Nélson Cordeiro.

Até agora, o enfermeiro afirma que estas greves já tiveram resultados, como conseguir uma nova categoria de carreira para a classe profissional. A última greve dos enfermeiros convocada pelo Sindepor foi cancelada. Foi devido a estes fundos que a iniciativa conseguiu prolongar a primeira greve durante 40 dias ao pagar a enfermeiros que não trabalharam por ter aderido à paralisação.

O grupo “Greve Cirúrgica” garante que vai manter-se “atento e em período de definição de novas estratégias” e afirma: “vamos continuar sempre ao lado dos enfermeiros”.

A primeira greve cirúrgica decorreu entre 22 de novembro e 31 de dezembro de 2018 e a segunda entre 31 de janeiro e 28 de fevereiro, acabando por ser interrompida depois de a Procuradoria-Geral da República ter considerado a primeira paralisação ilegal por não corresponder ao pré-aviso e porque o fundo usado para compensar a perda de salário não foi constituído nem gerido pelos sindicatos que decretaram a greve.

Na segunda greve, o Governo decretou uma requisição civil para quatro dos dez centros hospitalares abrangidos pela paralisação, alegando o não cumprimento dos serviços mínimos que tinham sido definidos com os sindicatos.

Entretanto, o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) marcou uma greve para começar a 02 de abril, mas foi sendo sucessivamente adiada na sequência das negociações com a tutela e que acabou cancelada na passada quarta-feira.

“Para o Sindepor a prioridade será sempre a resolução dos problemas dos Enfermeiros através de processos negociais pelo que, neste momento e tendo em conta as condições existentes, decretamos a suspensão definitiva da greve”, lê-se na mensagem publicada na página do Facebook deste sindicato.

*Título corrigido às 9h42, são 246 mil euros e não 214 mil euros

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)