Rádio Observador

CP

CP reduziu prejuízos em 5,6% em 2018 para 105,6 milhões de euros

A CP atingiu 259 milhões de euros em proveitos de tráfego em 2018. Os gastos operacionais e o número de passageiros também subiram e a empresa quer contratar mais trabalhadores.

Os valores foram divulgados num relatório na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A CP – Comboios de Portugal reduziu os prejuízos em 5,6% no ano passado, atingindo os 105,6 milhões de euros, face aos 112 milhões de euros registados em 2017.

De acordo com o relatório e contas da empresa, publicado esta terça-feira na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a CP revela que atingiu no ano passado 259 milhões de euros em proveitos de tráfego, um aumento de 3,7% em relação a 2017, com o crescimento de 3,5% do número de passageiros transportados, num total de 126,2 milhões.

O EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da transportadora, pelo contrário, reduziu-se em 15%, para 9,4 milhões de euros. Os gastos operacionais da empresa subiram 4,3%, fixando-se em 279 milhões de euros, de acordo com o mesmo documento.

Numa mensagem publicada no relatório, o presidente da CP, Carlos Nogueira, lembrou que “a empresa depara-se com fortes constrangimentos à sua atividade decorrentes do atraso na concretização de investimentos na infraestrutura ferroviária, da obsolescência e vetustez do parque de material circulante, sem a correspondente substituição e da desadequação do quadro de efetivos dos diferentes níveis às necessidades funcionais”.

O presidente da CP diz ainda que são “absolutamente cruciais” os planos de recrutamento previstos de 2018 e 2019 “que aguardam aprovação superior”. E avisa mesmo que, caso não sejam cumpridos, “será inevitável a redução da oferta e, em consequência, o não cumprimento dos níveis de serviço preconizados no Contrato de Serviço Público”.

Carlos Nogueira acredita também que a negociação dos Acordos de Empresa é uma “peça angular” para aumentar a flexibilidade laboral e a competitividade.

No ano passado, a oferta reduziu-se na CP, em cerca de 2% devido a greves (71% das supressões), à “elevada taxa de indisponibilidade do material circulante de tração diesel”, que afetou sobretudo as linhas do Oeste, Alentejo e Algarve e a descarrilamentos nas linhas da Beira Alta, Norte e Douro.

Algumas intervenções da Infraestruturas de Portugal nas linhas também condicionaram a operação em 2018, de acordo com a CP.

Com estes constrangimentos, o índice global de pontualidade da transportadora situou-se em 97%, menos 2,2 pontos percentuais do que em 2017, com destaque para o serviço regional, indica o relatório.

A CP investiu, no ano passado 15,5 milhões de euros, sendo que, deste valor, 80% teve como destino o material circulante. Em termos consolidados, o grupo CP registou prejuízos de 106,3 milhões de euros, uma melhoria de 4% em relação a 2017. O grupo, que inclui sociedades como a EMEF e Fernave, registou vendas e prestações de serviços de 298 milhões de euros, mais 4% do que em 2017.

A EMEF, por sua vez, conseguiu obter resultados líquidos positivos de 6,4 milhões de euros, um aumento de 7,5% em relação a 2017, enquanto o volume de negócios caiu 4%, para 69,2 milhões de euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)