CP

CP reduziu prejuízos em 5,6% em 2018 para 105,6 milhões de euros

A CP atingiu 259 milhões de euros em proveitos de tráfego em 2018. Os gastos operacionais e o número de passageiros também subiram e a empresa quer contratar mais trabalhadores.

Os valores foram divulgados num relatório na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A CP – Comboios de Portugal reduziu os prejuízos em 5,6% no ano passado, atingindo os 105,6 milhões de euros, face aos 112 milhões de euros registados em 2017.

De acordo com o relatório e contas da empresa, publicado esta terça-feira na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a CP revela que atingiu no ano passado 259 milhões de euros em proveitos de tráfego, um aumento de 3,7% em relação a 2017, com o crescimento de 3,5% do número de passageiros transportados, num total de 126,2 milhões.

O EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da transportadora, pelo contrário, reduziu-se em 15%, para 9,4 milhões de euros. Os gastos operacionais da empresa subiram 4,3%, fixando-se em 279 milhões de euros, de acordo com o mesmo documento.

Numa mensagem publicada no relatório, o presidente da CP, Carlos Nogueira, lembrou que “a empresa depara-se com fortes constrangimentos à sua atividade decorrentes do atraso na concretização de investimentos na infraestrutura ferroviária, da obsolescência e vetustez do parque de material circulante, sem a correspondente substituição e da desadequação do quadro de efetivos dos diferentes níveis às necessidades funcionais”.

O presidente da CP diz ainda que são “absolutamente cruciais” os planos de recrutamento previstos de 2018 e 2019 “que aguardam aprovação superior”. E avisa mesmo que, caso não sejam cumpridos, “será inevitável a redução da oferta e, em consequência, o não cumprimento dos níveis de serviço preconizados no Contrato de Serviço Público”.

Carlos Nogueira acredita também que a negociação dos Acordos de Empresa é uma “peça angular” para aumentar a flexibilidade laboral e a competitividade.

No ano passado, a oferta reduziu-se na CP, em cerca de 2% devido a greves (71% das supressões), à “elevada taxa de indisponibilidade do material circulante de tração diesel”, que afetou sobretudo as linhas do Oeste, Alentejo e Algarve e a descarrilamentos nas linhas da Beira Alta, Norte e Douro.

Algumas intervenções da Infraestruturas de Portugal nas linhas também condicionaram a operação em 2018, de acordo com a CP.

Com estes constrangimentos, o índice global de pontualidade da transportadora situou-se em 97%, menos 2,2 pontos percentuais do que em 2017, com destaque para o serviço regional, indica o relatório.

A CP investiu, no ano passado 15,5 milhões de euros, sendo que, deste valor, 80% teve como destino o material circulante. Em termos consolidados, o grupo CP registou prejuízos de 106,3 milhões de euros, uma melhoria de 4% em relação a 2017. O grupo, que inclui sociedades como a EMEF e Fernave, registou vendas e prestações de serviços de 298 milhões de euros, mais 4% do que em 2017.

A EMEF, por sua vez, conseguiu obter resultados líquidos positivos de 6,4 milhões de euros, um aumento de 7,5% em relação a 2017, enquanto o volume de negócios caiu 4%, para 69,2 milhões de euros.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)