Rádio Observador

Universidades

Projeto UNI+i impulsiona empresas no Norte de Portugal e Castela e Leão

UNI+i é um projeto entre Portugal e Espanha e é dirigido a empresas de setores agroalimentares, ambiente, ciências da vida e da saúde ou tecnológico e que querem potenciar os seus negócios.

Atualmente está a apoiar 30 empresas de recente criação e 32 empreendedores dos dois lados da fronteira, mais do que o inicialmente previsto

JOSÉ COELHO/LUSA

O projeto transfronteiriço UNI+i está a ajudar a impulsionar a competitividade, a internacionalização e o volume de negócios das empresas e a potenciar o espírito empreendedor nas regiões Norte de Portugal e Castela e Leão (Espanha).

O UNI+i é dirigido a empresas de diferentes setores estratégicos, desde agroalimentar, ambiente, ciências da vida e da saúde ou tecnológico, que querem potenciar os negócios e atravessar fronteiras à conquista de novos mercados.

“É um projeto entre Portugal e Espanha, mas na verdade abre-nos portas para o resto do mundo”, afirmou à agência Lusa Daniel Ribeiro, de 30 anos e um dos fundadores da cooperativa agrícola Rupestris.

Instalada no campus da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), na cidade de Vila Real e a cerca de 100 quilómetros do Porto, a Rupestris foi fundada para proporcionar visitas guiadas ao jardim botânico desta academia que se estende por 130 hectares.

A paixão pelas plantas foi evoluindo e a cooperativa criou um viveiro onde atualmente possui perto de 60 espécies diferentes e 25 mil plantas para comercialização direta, para viveiros, lojas ou reflorestações. “Aqui é como ter um jardim zoológico de plantas”, salientou Daniel Ribeiro.

A Rupestris aderiu ao UNI+i e esta foi, segundo o empreendedor, “a chave do puzzle”: ajudou a melhorar e a organizar a ideia de negócio. Através do projeto, a cooperativa conta com o apoio de três mentores, docentes na UTAD.

“Vão-nos passando o conhecimento acerca dos mapas de trabalho que nós temos, mas também de como deve ser a nossa abordagem com o mercado”, salientou, explicando que o UNI+i trouxe “mais confiança”.

Com a abertura do túnel rodoviário do Marão (5,6 quilómetros) quebrou-se a barreira psicológica da serra, Vila Real aproximou-se do Porto e ganhou condições mais atrativas para o investimento. A ligação do Porto a Castela e Leão ficou mais rápida, através do nordeste transmontano.

O UNI+i surgiu para impulsionar os negócios nestes territórios.

Coordenado pela UTAD, o projeto junta o Regia Douro Park – Parque de Ciência e Tecnologia de Vila Real, a Universidade do Porto, a Universidade de Salamanca, o Parque Científico de Salamanca e a Associação Ibérica de Municípios Ribeirinhos do Douro.

Arrancou em abril de 2017 e vai estender-se até dezembro de 2019, com um investimento que ronda um milhão de euros, entre fundos do programa INTERREG – POCTEP (Programa de Cooperação Transfronteiriça Espanha-Portugal) e a comparticipação dos parceiros portugueses e espanhóis.

Atualmente está a apoiar 30 empresas de recente criação e 32 empreendedores dos dois lados da fronteira, mais do que o inicialmente previsto.

“Temos tido uma adesão muito interessante das empresas e dos empreendedores […]. Superou as expectativas”, frisou Helena Moreira, professora da UTAD, que coordena o projeto juntamente com Ana Alencoão.

Helena Moreira acredita que o UNI+i está a ajudar “a potenciar” os negócios em Portugal e Espanha, destacando ainda a criação de novos negócios por parte de alguns empreendedores.

Para “outros, mesmo que não construam a breve trecho a sua empresa, a formação que o projeto lhes proporcionou foi uma mais-valia para poderem vir a construí-la no futuro”, afirmou.

O programa envolve acompanhamento às empresas, formações, visitas de estudo, ‘coaching’ tecnológico, eventos de ‘networking’, seminários de diferentes temáticas como técnicas de comunicações, questões legais e fiscais, segurança social, financiamento comunitário, crescimento no mercado internacional ou marketing digital.

Para Nuno Augusto, vereador da Câmara de Vila Real e responsável pelo Regia Douro Park, o objetivo do UNI+i passa também pela “criação de uma rede para as empresas e para o empreendedorismo” entre as duas regiões de Portugal e Espanha.

“Criar um intercâmbio de conhecimento e um relacionamento que possa ajudar à instalação de novas empresas e fomentar o desenvolvimento das empresas que já estão instaladas”, sublinhou.

Nesta rede de apoio há partilha de meios por parte das universidades, das empresas já consolidadas e dos parques de ciência e tecnologia.

Nuno Augusto acredita que o projeto está a ajudar a fortalecer o tecido empresarial e na internacionalização das empresas.

O Montel é um vinho biológico produzido com uvas colhidas em Castedo do Douro, concelho de Alijó. A empresa está instalada no Regia Douro Park e integra também o programa transfronteiriço.

A proprietária, Elisa Pimentel, 50 anos, destacou a aprendizagem que tem tido a nível da legislação, informática, marketing ou rotulagem.

“Quanto aos aspetos legais, as coisas como funcionam aqui não são exatamente as mesmas como lá fora […]. O conhecimento da legislação é mais fácil quando temos a possibilidade de alguém nos dar a informação sem termos de ir atrás dos decretos-lei e ver qual o último artigo que saiu. Com eles temos a papinha toda feita e isso é impecável”, salientou.

Elisa Pimentel frisou que o UNI+i tem ajudado a “colocar os produtos lá fora” e, consequentemente, na internacionalização da empresa.

Rui Fonseca, de 49 anos e responsável pela empresa Objetivo Verde, disse que o projeto ajudou a definir o plano de negócios: “Ajuda a identificar riscos, a comercializar e a comunicar o projeto, ver o potencial, prós e contras, onde devemos apostar e como devemos apostar”.

A Objetivo Verde dedica-se às energias renováveis, fazendo desde o levantamento do potencial energético até à instalação dos equipamentos de energia solar, eólica ou biomassa.

Na empresa trabalham seis pessoas, mas o objetivo é, segundo Rui Fonseca, crescer para os 12 postos de trabalho e atravessar cada vez a fronteira para Espanha ou outros países, nomeadamente africanos, como Moçambique ou a Guiné Conacri.

A Bleam é uma agência de marketing digital e trabalha de Vila Real para toda a região Norte.

“Somos uma empresa jovem, inexperiente, temos vontade de trabalhar, mas há muitas coisas que não sabemos e temos de ir absorvendo o conhecimento”, afirmou Fábio Sigre, de 27 anos.

O responsável disse que a Bleam, através do UN+i, tem beneficiado com a partilha de outras experiências, outras áreas de negócio e outros modelos: “Tudo isso faz com que também nós consigamos enriquecer a nossa forma de trabalhar e isso tem sido a nossa principal vantagem”.

Uma partilha de experiências, realçou, também com os parceiros espanhóis do projeto, o que permite “perceber o que se faz lá fora” e de que forma é “possível melhorar o negócio” e fazer a “empresa crescer”.

“O UNI+i foi muito enriquecedor para nós de uma maneira geral”, frisou Fábio Sigre.

Desde 2014, a UTAD viu aprovados 20 projetos no âmbito do programa INTERREG, num valor que ascende aos 3,5 milhões de euros e envolve a cooperação 150 parceiros. Onze destes projetos estão incluídos no POCTEP.

“Os programas de cooperação transfronteiriça têm um enorme interesse para aproximar as regiões”, afirmou à Lusa o reitor da academia transmontana, António Fontainhas Fernandes, destacando a visibilidade dada a estes territórios através do conhecimento e da inovação.

“O INTERREG tem um efeito positivo no desenvolvimento regional […]. Estes projetos muito têm contribuído para uma escala mais global”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)