Existe desde 1892 e treina amas num registo quase militar. A Norland College é uma escola prestigiada, na antiga cidade de Bath, de grande estima entre a realeza britânica, incluindo os duques de Cambridge, William e Kate. Com a chegada iminente do próximo bebé real, a instituição volta a ser destaque na imprensa internacional. Afinal, o bebé de Harry e Meghan Markle poderá vir a ser cuidado por uma ama deste calibre, ainda que relatos recentes apontem para que a duquesa de Sussex volte a quebrar a tradição e opte por uma ama norte-americana.

A escola de elite com 127 anos de funcionamento não ficou parada no tempo. Aos seus alunos oferece muito mais do que aulas de cozinha, nutrição e costura, e ensina também técnicas de auto-defesa, segurança cibernética e técnicas de condução em contextos perigosos de maneira a proteger as crianças de eventuais raptos, escreve a publicação Newsweek, que refere que as amas com o diploma da Norland College são uma espécie de cruzamento entre Mary Poppins e James Bond, ambas personagens fictícias que ajudam a compor uma imagem de super-amas.

As amas de Norland em junho de 1948. © Harrison /Topical Press Agency/Getty Images

São precisos quatro anos para terminar o curso — três são passados na escola, sendo que o último implica trabalhar com uma família. O treino é intensivo e as propinas bastante elevadas, a rondar os 20 mil dólares anuais, sem contar com o custo do uniforme (1.300 dólares). Às “disciplinas” já mencionadas, acrescentam-se aulas que abraçam a neurociência e a psicologia. No mundo real, estas amas poderão trabalhar 60 horas por semana e viver na casa das famílias que servem.

A maior parte das estudantes deverá trabalhar com famílias ricas de Londres, ainda que também exista bastante procura fora do país. É o caso da China, dos EUA e do Médio Oriente, explica a publicação já citada. Algumas amas saídas desta instituição que trabalham no estrangeiro conseguem auferir 100 mil dólares por ano. Anualmente centenas de amas saem para o mercado, mas a procura continua a ser bastante superior à oferta — de referir que em 2018 dois homens formaram-se pela Norland College.

As amas em 1956. © Folb/Topical Press Agency/Getty Images

Uniformes formais e apresentação impecável fazem parte do protocolo da instituição que, nesse aspeto, procura uma abordagem militar, assente no rigor. Não é mera tradição: cabelos limpos e apanhados, unhas cortadas e roupas “perfeitamente passadas” fazem parte do requisito para cuidar das crianças — afinal, unhas longas podem, por exemplo, arranhar a cara de um bebé.

A ama Maria Borrallo na companhia de Kate, George e Isabel II durante o batizado de Charlotte. © Chris Jackson – WPA Pool / Getty Images

Maria Teresa Turrion Borrallo, a ama do príncipe George, é formada pela Norland College e trabalha com a família real desde 2014. À InStyle, o correspondente real Charles Rae explica que, apesar de William e Kate serem pais bastante presentes, Borrallo tem muita responsabilidade — a título de exemplo, a ama foi “apanhada” a assistir a família real nos casamentos de Eugenie e de Harry.

Maria Borrallo vive com os duques de Cambridge — como é costume entre as amas da realeza — e, segundo Charles Rae, “é uma parte fundamental da família”. O correspondente real explica ainda que é esperado que Harry e Meghan contratem uma ama a tempo inteiro, ainda que o casal dependa, nos tempos iniciais, da ajuda de Doria Ragland, a mãe da duquesa.