Áustria

Poucos austríacos sabem o que foi o Holocausto, diz estudo

422

Um estudo concluiu que existe, na Áustria, um elevado grau de desconhecimento sobre o Holocausto, o que faz aumentar as preocupações sobre o crescimento do partido de extrema-direita.

56% dos austríacos que foram questionados sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) desconhecem que seis milhões de pessoas foram assassinadas no Holocausto

MARTON MONUS/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Na Áustria verifica-se um elevado desconhecimento sobre o genocídio nazi durante a Segunda Guerra Mundial assim como sobre o envolvimento de austríacos no holocausto, indica um estudo publicado esta quinta-feira.

A investigação, realizada por uma organização judaica e que vai ser discutida esta quinta-feira numa conferência sobre compensações aos judeus vítimas do regime nazi, indica que 56% dos austríacos que foram questionados sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) desconhece que seis milhões de pessoas foram assassinadas no Holocausto e 36% acredita que o número de vítimas “não ultrapassou os dois milhões”.

Greg Schneider, organizador da conferência judaica sobre apresentação de provas contra a Alemanha, disse que as conclusões da nova investigação são semelhantes aos estudos realizados nos Estados Unidos e no Canadá, mas mostra-se surpreendido porque se trata de uma investigação realizada junto da população austríaca.

A tendência é semelhante, o que demonstra uma realidade perturbadora sobre a falta de conhecimentos sobre o Holocausto, mas o que é novo é que esta nova pesquisa foi realizada na região onde ocorreu o Holocausto”, disse Scheneider, da organização judaica com sede em Nova Iorque.

Um outro dado indica que 79% dos austríacos sabe que Adolf Hitler nasceu na Áustria, mas apenas 14% sabe que Adolf Eichmann, que desempenhou um papel central na Solução Final, era de ascendência germano austríaca.

Os resultados desta pesquisa fazem aumentar as preocupações relacionadas com o crescimento do partido de extrema-direita austríaca (Partido da Liberdade), parceiro da coligação governamental e que foi fundado no pós-guerra por antigos membros do Partido Nazi austríacos.

Os membros do partido da extrema-direita austríaca continuam a evocar o nazismo.

Na semana passada, o vice-presidente da câmara da cidade de Braunau am Inn, terra natal de Adolf Hitler, publicou um texto em que comparava os emigrantes a ratos, imitando a retórica que o antigo partido nacional-socialista utilizava contra os judeus.

Durante o passado fim de semana, o líder do Partido da Liberdade, Heinz-Christian Strache, que também ocupa o cargo de vice-chanceler da Áustria, disse que “é preciso lutar contra a deslocação da população nativa” (Bevoelkerungsaustausch), um termo que emana da antiga terminologia nazi.

Receamos que alguma coisa parecida com o Holocausto possa voltar a acontecer, por isso eu estou muito preocupado com o que se está a passar-se na Áustria”, disse Scheneider.

No mesmo inquérito, os austríacos foram questionados especificamente sobre o Partido da Liberdade, sendo que 43% dos inquiridos se mostram favoráveis às ideias defendidas pela formação de extrema-direita; seis por cento responderam que o partido é “patriota” e 42% por cento considera que os partidos nacionalistas são xenófobos.

Efraim Zuroff, atual presidente do Centro Simon Wiesenthal, em Jerusalém, organização que promoveu a captura de nazis desde 1945, disse que o ponto mais inquietante da pesquisa divulgada hoje é o desconhecimento sobre o envolvimento da Áustria no Holocausto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)