Rádio Observador

Judo

O azar de Anri: judoca português desqualificado em Baku por deixar cair telemóvel durante combate

969

Anri Egutidze caiu no primeiro combate em Baku após deixar cair telemóvel. "Pediu desculpa e referiu que estava disponível para pagar despesas mas não terá de fazer", contou Jorge Fernandes.

Anri Egutidze, aqui no Grand Prix de Telavive, era um dos candidatos a conseguir uma medalha no Grand Slam de Baku

AFP/Getty Images

Aos 23 anos, Anri Egutidze, judoca nascido na Geórgia mas há alguns anos naturalizado português, é uma das grandes promessas nacionais da modalidades numa categoria que nos últimos tempos nunca conseguiu alcançar grande representatividade no plano dos resultados (-81kg). Vice-campeão europeu de juniores em 2016, tem somado alguns pódios em competições internacionais de relevo, como o Grand Prix de Tbilisi ou Grand Prix de Zagreb, e ocupa o 16.º lugar do ranking da categoria, que lhe garante uma vaga na próxima edição dos Jogos Olímpicos, em 2020. Mas há dias em que tudo parece correr mal e este sábado foi um desses para o judoca, que acabou por ser desclassificado no Grand Slam de Baku por deixar cair um telemóvel.

Motivado com os resultados internacionais alcançados neste início de 2019 (quinto lugar e à beira da medalha no Grand Prix de Telavive, no Grand Slam de Düssseldorf e no Grand Prix de Tbilisi), Anri ficou isento da primeira ronda na categoria de -81 no Azerbaijão e esperou pelo resultado do combate entre o cipriota Phedias Konnaris e o sueco Robin Pacek. O pior viria logo de seguida: diante do escandinavo, o luso-georgiano, que era candidato às medalhas em -81kg, entrou de forma inadvertida com o telemóvel no tatami depois de ter vindo dos balneários a ouvir música e acabou desclassificado depois da queda do aparelho que estava no bolso.

“Já me ligou a pedir desculpas pelo erro cometido. Disse que não teve cuidado pois tinha tirado o relógio e tudo o que tinha mas não sabe como deixou o telemóvel. Além disso referiu que estava disponível para pagar todas as despesas que entendêssemos, viagem, alojamento, no Azerbaijão. Não terá de o fazer. São incidentes que acontecem mas espero que ele e todos da Seleção aprendam com este descuido. Então prometeu-me que iria pagar com uma medalha nos Jogos Europeus de Minsk”, contou Jorge Fernandes, presidente da Federação Portuguesa de Judo, ao jornal A Bola.

A Seleção Nacional encontra-se a disputar o Grand Slam de Baku com vários atletas desde sexta-feira, com destaque para a medalha de bronze conquistada por Catarina Costa em -48kg e para o quinto lugar de Maria Siderot na mesma categoria. Este domingo, último dia de prova, Yahima Ramírez (-78kg) e Rochele Nunes (+78kg) já foram eliminadas mas Jorge Fonseca continua em prova (-100kg), tendo já garantido presença nas meias-finais, que se realizam esta tarde.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)