Rádio Observador

Resíduos

ZERO queixa-se de Portugal por ilegalidades na recolha de resíduos elétricos

A ZERO indica que o país não cumpriu as metas europeias para o tratamento de resíduos elétricos e que muitos ou foram tratados em más condições ou nem sequer entraram nas unidades de tratamento.

A ZERO salienta que os equipamentos elétricos e eletrónicos têm "muitos componentes perigosos para a saúde e para o ambiente"

HENRIQUE CASINHAS / OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa

A associação ambientalista ZERO apresentou queixa na Comissão Europeia contra Portugal por “diversas ilegalidades” na recolha de resíduos elétricos e eletrónicos.

Em comunicado, a ZERO indica que Portugal não cumpriu as metas definidas a nível europeu para o tratamento deste tipo de resíduos mas “muitos desses ou foram tratados em condições inaceitáveis, sem remoção das componentes perigosas, ou nem sequer entraram nas unidades de tratamento”.

A associação apoia-se numa auditoria da Inspeção Geral da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território, de 2017, que afirma confirmar os indícios de “operadores de tratamento de resíduos que declararam à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) quantidades de resíduos tratados inferiores às que declararam às Entidades Gestoras do fluxo dos REEE e que foram utilizadas pelo Ministério do Ambiente para reporte de dados à Comissão Europeia”.

Este ano, Portugal irá ficar-se por metade dos “65% dos resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos” que estava obrigado a tratar.

Em 2017, ano auditado pela Inspeção Geral, as conclusões indicam que os dados que Portugal comunicou à Comissão Europeia “não são fidedignos”.

A ZERO salienta que os equipamentos elétricos e eletrónicos têm “muitos componentes perigosos para a saúde e para o ambiente”, como mercúrio, pilhas, baterias, amianto ou gases de refrigeração, que incluem os CFC, que destroem a camada de ozono.

A responsabilidade, diz a ZERO, cabe sobre a Agência Portuguesa do Ambiente, que até agora não tomou “qualquer medida para corrigir esta situação”.

“O acompanhamento insuficiente que as autoridades ambientais estão a fazer deste importante fluxo de resíduos está a gerar situações de risco para a saúde pública e contaminação ambiental.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)