Rádio Observador

Futsal

Benfica derrota Sporting na “negra” e recupera título de campeão nacional três anos depois

3.185

Num jogo decisivo que teve sete golos em dez minutos na primeira parte, Benfica e Sporting pagaram a fatura de uma final disputada até ao fim mas foram os encarnados que ficaram com o título (4-3).

Raúl Campos foi o herói improvável do quinto e decisivo jogo da final, marcando um hat-trick na vitória do Benfica por 4-3

Filipe Amorim / Global Imagens

Casa cheia. Intensidade. Emoção. Grandes lances individuais. Algumas falhas coletivas. Em resumo, mais um grande jogo que, com sete golos em dez minutos da primeira parte, voltou a demonstrar o crescimento do futsal em Portugal como a maior modalidade de pavilhão. No epílogo da quarta final decidida entre Benfica e Sporting na “negra”, após o triunfo dos encarnados em 2012 e dos verde e brancos em 2013 e 2018, a vitória sorriu às águias, que ganharam na Luz por 4-3 e recuperaram o título três anos depois, evitando aquele que poderia ser um inédito tetra do rival leonino na história do futsal.

O “inferno” da Luz fez-se sentir ainda antes do início do encontro (tendo Cardinal como principal “alvo” dos adeptos da casa) e o Benfica deu-se melhor com esse clima a abrir, criando várias oportunidades de perigo junto da baliza de Guitta e praticamente secando as saídas rápidas do Sporting. Roncaglio, na primeira subida para fazer 5×4, deixou a primeira ameaça; Fernandinho, num grande lance individual a rodar na área, viu também o golo inaugural travar no guarda-redes brasileiro; e ainda houve mais tentativas de meia distância de Robinho e André Coelho. Em cerca de cinco minutos, em que só a entrada de Rocha conseguiu dar alguma frieza em ataque organizado aos leões, os encarnados já levavam 15 remates contra quatro do adversário. E Fábio Cecílio, por essa altura, ainda teve um desvio na área após lance de estratégia que bateu na trave e ficou nas costas de Guitta.

Faltava o golo que desbloqueasse o jogo e o mesmo surgiu em versão dupla por um herói improvável das águias: Raúl Campos, que tinha ficado de fora das opções pela aposta em Fits, inaugurou o marcador com uma grande trabalho a receber de pé direito e a fuzilar de pé esquerdo na área, a bola foi a meio-campo e, poucos segundos depois, isolado perante Guitta, aumentou para 2-0 com um chapéu de belo efeito ao guarda-redes brasileiro (8′). O Benfica ficava em vantagem, estava melhor e até ficou perto do 3-0 quando Fábio Cecílio, isolado, atirou a rasar a trave perante a desorganização defensiva dos leões.

Da mesma forma que os encarnados necessitavam de golos para materializar o melhor início, também o conjunto verde e branco precisava de um golo pelo menos para assentar o seu jogo e reentrar na partida. Também aconteceu, também foi em versão dupla: num remate de primeira após assistência de Deo, Cardinal reduziu para 2-1 aos 9′ (no seguimento do lance, o internacional português “pegou-se” com Roncaglio, ficaram ambos a mostrar marcas na barriga e saíram com amarelo) e Leo, num livre direto a 12 metros onde o guarda-redes visitado pareceu mal batido, empatou quatro minutos depois, numa altura em que o Sporting já estava melhor e a criar perigo mais em lances de estratégia do que em ataque organizado.

Os momentos de domínio iam rodando, à semelhança do que acontecera nos outros quatro jogos da final, e foi nas melhores fases de cada uma das equipas conseguiu voltar a marcar, num total fabuloso (e atípico) de sete golos em dez minutos: Bruno Coelho, numa segunda bola mal desviada por Guitta após passe longo, recolocou as águias em vantagem (14′); Raúl Campos, num lance onde levou com a bola na perna quando Erick queria soltar na frente e a mesma foi para a baliza aumentou a vantagem (15′); e Rocha, na recarga de um livre onde desviou de calcanhar em cima de Roncaglio, fez o 4-3 que se registava ao intervalo (18′), que chegou com um lance em que os jogadores leoninos ficaram a pedir mão na área de Fábio Cecílio.

Na segunda parte, até de forma natural face à intensidade do primeiro tempo e ao calor que se fazia sentir num Pavilhão da Luz com lotação esgotada, o ritmo acabou por baixar e os dez minutos iniciais tiveram menos oportunidades que, além de raras, foram aparecendo sobretudo no seguimento de remates de meia distância em ataque organizado ou lances de estratégia. Aliás, a esse propósito, se existe uma grande diferença em relação às finais de anos anteriores (não em 2018, mais afastadas) tem a ver com a intensidade com que se joga, de tal forma que passou a ser um cenário quase “impossível” realizar duas partidas em dias consecutivos como acontecia num passado recente. As pernas, ou a falta delas, ditavam o (pouco) que se jogava.

A menos de quatro minutos do final, Alex Merlim entrou para guarda-redes avançado e mudou por completo as características da partida, que tão depressa podia dar empate, como aconteceu no jogo 4 com um golo de Rocha a 32 segundos do final do tempo regulamentar, como o 5-3 que praticamente fecharia as contas do encontro e do título. Os cerca de 240 segundos em falta multiplicaram-se e por muito, perante as paragens para limpeza do piso e para acalmar ânimos, mas nada mais voltaria a mudar, até porque apenas por duas vezes o 5×4 gizado por Nuno Dias conseguiu superar a boa defesa da equipa de Joel Rocha com remates enquadrados com a baliza contrária bem defendidos por Roncaglio. A sete segundos do final, houve o canto de cisne: num livre bem trabalhado, Cavinato rematou forte ao poste e perdeu a derradeira oportunidade da partida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)