Rádio Observador

Basquetebol

A história fechada com chave de ouro: Portugal vence Divisão B do Euro Sub-20 de basquetebol com show de Lisboa

901

Portugal carimbou subida ao principal escalão frente à Rússia e fechou a festa na final com a Rep. Checa: sem Neemias mas com Lisboa a brilhar, Seleção garantiu vitória na Divisão B do Europeu Sub-20.

Portugal ganhou os sete jogos realizados nesta Divisão B do Campeonato da Europa Sub-20, o que lhe valeu o título e a subida de escalão

José Carmo / Global Imagens

“Foi uma decisão puramente minha. Tudo tem o seu tempo e não era a altura ideal para ir. Só tenho a beneficiar em ficar o tempo que for preciso na faculdade. Acho que foi a escolha certa. Tem sido uma experiência muito boa, ajudou-me a evoluir bastante em termos físicos e psicológicos. Estou melhor jogador, mais maduro. Não sinto pressão nenhuma, estou só a seguir o meu caminho. A única pressão que tenho é em ser o melhor que posso a cada dia e acho que consigo lidar com isso”, explicou Neemias Queta em junho. Com 19 anos, o jogador adiou a hipótese de ser o primeiro jogador português na NBA e decidiu ficar mais um ano nos Utah State Aggies em vez de se declarar elegível no draft. Por agora é um sonho, a breve prazo deverá ser uma realidade.

Na universidade ou na NBA, Neemias teve o condão de mostrar que existe um futuro no basquetebol nacional. Mas nem tudo se resume a Neemias, como se viu ao longo da semana na Divisão B do Campeonato da Europa Sub-20: Portugal fez história ao subir pela primeira vez à Divisão A após garantir a final da competição e chegou ao jogo de todas as decisões com um percurso imaculado de seis vitórias entre fase de grupos e a eliminar. Sem Neemias, lesionado no joelho esquerdo, mas com outros nomes promissores como Rafael Lisboa (filho de Carlos Lisboa), Rui Palhares ou Vladyslav Voytso. A Rep. Checa era a última etapa antes da vitória final, perante um Centro de Desportos e Congressos de Matosinhos de novo com casa cheia.

Depois dos quatro triunfos na fase de grupos frente a Bélgica (81-53), Eslováquia (76-61), Macedónia (73-39) e Luxemburgo (86-44), o conjunto comandado por André Martins qualificou-se para a meia-final com uma vitória frente à Geórgia (96-85) e assegurou a subida e o jogo decisivo diante da Rússia (76-69). Estava escrita uma página histórica, estava por escrever um final de ouro numa aventura que promete marcar os próximos anos do plano nacional. E nem a lesão do jogador que vive e estuda nos Estados Unidos, que enfraquecia o jogo interior de Portugal, colocava em causa essa ambição de cumprir o pleno.

Depois de uma entrada mais forte no jogo, a Seleção Nacional teve uma entrada melhor em campo mas os checos reagiram bem e conseguiram pela primeira vez passar para a frente do marcador com 12-11, fechando o primeiro período com quatro pontos de vantagem (18-14). As percentagens de lançamento nunca foram propriamente famosas mas o aumento da agressividade defensiva deu frutos e Portugal saltou para a liderança com 21-20, aumentando depois o fosso para vantagens de seis/sete pontos que acabaram com quatro ao intervalo (34-30) de um jogo muito disputado mas nem sempre bem jogado e com Rafael Lisboa, a lançar ou a assistir, como principal protagonista de uma equipa que tinha ainda Amarante e Palhares como destaques.

No segundo tempo, a tendência equilibrada e com momentos de vantagem diferenciados entre os dois conjuntos terminou e Portugal assumiu em definitivo o jogo com uma defesa quase intransponível e um Lisboa a marcar de dois e três pontos sem fim, chegando a ter uma vantagem acima dos 20 pontos a quatro minutos do final do terceiro período (54-32) perante uma Rep. Checa sem soluções ofensivas para tentar colar-se de novo na luta pelo resultado. Após um parcial de 27-11, os últimos dez minutos chegavam já com uma confortável vantagem de 61-41, que foi confirmada no final para um fecho com chave de ouro de uma página histórica por 73-59. E com direito a hino nacional nas bancadas ao longo do último minuto do encontro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)