Rádio Observador

Combustível

Olheiros, pedidos de identificação e uma fotografia de Marcelo. O outro lado do plenário dos motoristas

150

Motoristas foram instruídos a "servir de olheiros" e proibiram gravações. "Nem um passo atrás!" foi o grito oficial do plenário. Mas houve outro: "Pardal, não deixes que te cortem as asas!"

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O encontro era à porta fechada mas nem o ‘olhar atento’ do Presidente da República faltou ao plenário dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, onde ficou definido que a greve vai mesmo avançar na segunda-feira por tempo indeterminado. Na sala do primeiro piso da Junta de Freguesia de Aveiras de Cima, de liderança comunista, a fotografia oficial de Marcelo Rebelo de Sousa ‘presidiu’ ao encontro que culminou com aplausos e frases de ordem: “Nem um passo atrás”, gritaram repetida e entusiasticamente, durante vários segundos, os trabalhadores presentes. Um “grito de guerra” recuperado do SEAL, o Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística, de António Mariano, e audível no exterior do edifício.

Não só o olhar de Marcelo esteve atento. Segundo apurou o Observador, as regras e as instruções dadas aos presentes foram apertadas. Ao ponto de os motoristas terem sido instruídos a “servir de olheiros”: se encontrassem alguma cara desconhecida no interior da sala, teriam de pedir a identificação. Pelo menos três associados do Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) foram chamados a mostrar o Cartão de Cidadão. Além disso, sabe o Observador, as gravações foram proibidas.

A fotografia oficial do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, está pendurada na parede ao fundo. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A sala esteve cheia e muitos não conseguiram um lugar sentado, aglomerando-se, em pé, junto às janelas — de onde, entre aplausos, atiravam sorrisos aos jornalistas que esperavam no exterior. Outros tantos foram fazendo pausas para fumar um cigarro (também Pedro Pardal Henriques, o advogado do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas — SNMMP — foi visto a fumar junto à janela) ou simplesmente conversar à porta do edifício. Sempre alinhados e sem nunca abrir o jogo.

“Não vos posso dizer nada sobre o que se passa lá dentro”, ouviu-se dizer por diversas vezes. Os motoristas só pareciam autorizados a falar sobre as condições de trabalho: as horas que passam longe da família para estarem na estrada, os perigos a que estão sujeitos. Mas a vontade de avançar para a greve já era aí visível. “Estamos muito descontentes”, atiraram alguns.

Trabalhadores foram fazendo pausas ao longo do plenário para fumar ou conversar. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Motoristas estão a receber mensagens para se apresentarem ao serviço na segunda-feira

Há motoristas que já receberam uma SMS das empresas transportadores onde trabalham para se apresentarem ao serviço na segunda-feira, dia 12, o primeiro dia da paralisação. O Observador teve acesso a uma mensagem enviada pela Atlantic Cargo aos funcionários, na qual a empresa especializada no transporte rodoviário de matérias perigosas pede que, nesse dia, os trabalhadores se desloquem para a sede da empresa, em Porto Alto.

“Bom dia, segunda feira, até indicações em contrário, deve apresentar-se nas instalações da empresa no Porto Alto pelas 08h, sem iniciar qualquer atividade com a viatura. Obrigado.”, refere a mensagem. Num dia normal de trabalho, os motoristas destas empresas costumam começar na Companhia Logística de Combustíveis (CLC) de Aveiras, onde abastecem os camiões. É para lá que planeiam ir os grevistas, na próxima segunda-feira.

Na mensagem enviada aos trabalhadores, a Atlantic Cargo pede aos motoristas que se apresentem nas instalações principais da empresa na segunda-feira. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Trabalhadores vão “aumentar reivindicação” à ANTRAM, se os patrões não apresentarem contraproposta

Segundo apurou o Observador, o SIMM e o SNMMP alinharam as posições durante a reunião deste sábado para que os representantes de cada sindicato não se contradigam em público. Foi nesse âmbito que as duas associações  sindicais acordaram que, a partir da meia-noite de dia 12, segunda-feira, vão voltar a dar 48 horas à ANTRAM para que os patrões apresentem uma contraproposta. Se no final desse período, tal não acontecer, os sindicatos aumentam as reivindicações. E vão fazê-lo em conjunto, numa única proposta.

Durante o plenário, os trabalhadores foram tomando a palavra, colocando questões e pronunciando-se sobre a greve e sobre o aumento das reivindicações. Houve vários momentos de votação — a decisão de não desistir da greve terá sido unânime. Cá em baixo, à espera, os jornalistas chegaram a ouvir os gritos abafados – “Nem um passo atrás! Nem um passo atrás!”. Poucos minutos depois o plenário acabava.

“Pardal! Não deixes que te cortem as asas!”

Pouco mais de duas horas depois do início do plenário, foi Jorge Cordeiro, presidente do SIMM, que anunciou: “A greve é para avançar, por tempo indeterminado”. Os motoristas exigem um salário base “nada abaixo dos tais 900 euros prometidos pela ANTRAM desde o início das negociações”, acrescentou o presidente do SNMMP, Francisco São Bento. E querem o fim da cláusula 61, relativa à isenção de horário e que garante que os trabalhadores deslocados recebam sempre o pagamento de duas horas extraordinárias (mas não mais do que isso, quando são feitas mais horas) e pedem que as ajudas de custo deixem de ser pagas por quilómetro.

Motoristas foram gritando repetidamente: “Nem um passo atrás!” JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

No momento decisivo em que os motoristas deram luz verde à greve, Pardal Henriques fez uma pequena marcha-atrás e deixou o protagonismo para os presidentes de ambos os sindicatos que convocaram o protesto. Aliás, tiveram de ser os jornalistas a procurá-lo, por entre a multidão, para que prestasse alguns esclarecimentos.

De propósito ou não, ao mesmo tempo que falava Francisco São Bento no final do plenário, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, também prestava declarações à imprensa, no final de uma reunião na Proteção Civil. Eduardo Cabrita apelou aos cidadãos para que façam “uma gestão criteriosa das suas necessidades de utilização de combustível”, reservando-o apenas para as “deslocações absolutamente indispensáveis”. “Não há um problema de falta de combustível. A greve coloca-nos um problema de distribuição de combustíveis e, portanto, a primeira resposta é: o estrito cumprimento dos serviços mínimos”, disse.

Já depois foi Pedro Pardal Henriques a referir aos jornalistas que os motoristas “têm todo o direito em não aceitar trabalhar 14, 15, 16, 18 horas por dia em troco de 630 euros e o restante ser pago da forma gritante que é paga, o que faz com que haja uma fuga ao fisco tremenda”.

Plenário na Junta de Freguesia de Aveiras de Cima durou pouco mais de duas horas. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

“Desde o início dissemos que os serviços mínimos iam ser cumpridos”, garantiu. Mas alertou: “A lei geral diz que as associações patronais devem enviar para os sindicatos com 48 horas de antecedência as escalas de um dia normal de trabalho. As 48 horas já passaram e a ANTRAM não nos enviou aquilo que é uma escala normal de trabalho”. “Aquilo que a ANTRAM está a fazer é não deixar que nós nos possamos escalar.”

E enquanto falava, um motorista atirou “Pardal! Não deixes que te cortem as asas!”. Foi o outro grito que saiu do plenário dos motoristas que se preparam para a greve.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
954

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)