Rádio Observador

Greve

Governo deve “deixar de ser o elefante na sala que parte tudo”, diz Rui Rio

765

O presidente do PSD, Rui Rio, defendeu que o Governo deve "deixar de ser o elefante na sala que parte tudo" e ter "habilidade e inteligência" para ajudar a resolver a greve dos motoristas.

NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do PSD, Rui Rio, defendeu este sábado que o Governo deve “deixar de ser o elefante na sala que parte tudo” e ter “habilidade e inteligência” para ajudar a resolver a greve dos motoristas.

Em declarações aos jornalistas em Viseu, Rui Rio disse que “havia um elefante no meio da sala, que era o Governo, que estava a criar um ruído e a montar um circo, um drama, que só dificultava qualquer solução”.

Agora, acrescentou, assumindo-se como mediador entre a entidade patronal e os motoristas, “caminhou para uma posição diferente” e “melhor, em que as partes não dialogam diretamente”, mas fazem-no através do Governo.

“Cabe agora ao Governo fazer o esforço necessário, ter a habilidade e a inteligência necessárias para conseguir trazer as duas partes a um ponto de encontro”, afirmou, acrescentando que, “se isso já aconteceu com outros sindicatos”, poderá ser conseguido com aquele que falta.

Rui Rio disse ter esperança de que tal aconteça nos próximos dias.

“Esse é o papel que o Governo deve ter para deixar de ser o elefante na sala que parte tudo, para ser, como no futebol, aqueles árbitros que nem se dá por eles”, defendeu.

Na sua opinião, para ser um bom mediador, “o Governo devia estar com recato, com sentido de Estado, quase sem se dar pela sua presença”.

O líder social-democrata apelou às duas partes para “que haja um esforço muito grande e um bom senso muito grande, porque não se pode pedir às empresas aquilo que elas não podem dar, mas também não se pode permitir que os motoristas continuem quer com um salário tão baixo, quer com as condições de trabalho que efetivamente não são as melhores”.

Instado a comentar as declarações feitas sexta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, que considerou que Rui Rio “porventura” não acompanhou com atenção a greve dos motoristas por estar em uso “legítimo” de férias, o social-democrata lembrou o que se passou na altura dos incêndios de Pedrógão Grande.

“O que está em causa neste caso (na greve nos motoristas) era eu entrar ou não num circo mediático durante quatro ou cinco dias. Mas o que esteve em causa quando ele pura e simplesmente não interrompeu as férias foi a morte de mais de 60 pessoas”, frisou, considerando que aquilo que António Costa disse “foi de infelicidade enorme”.

Na opinião de Rui Rio, se nos primeiros dias da greve podia parecer que o Governo “ganhava politicamente” com a posição que assumiu, neste momento é “exatamente o contrário”.

“Acho que os portugueses perceberam que se montou aqui uma farsa demasiado exagerada com fins eleitorais. Portanto, não acho que sai reforçado, acho até que sai um pouco enfraquecido”, acrescentou.

Os motoristas de matérias perigosas cumprem hoje o sexto dia de uma greve por tempo indeterminado, depois de, nesta madrugada, ter falhado um acordo mediado pelo Governo numa reunião que durou cerca de 10 horas.

A paralisação foi inicialmente convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), mas este sindicato desconvocou o protesto na quinta-feira à noite, após um encontro com a Antram sob mediação do Governo.

No final do primeiro dia de greve, o Governo decretou uma requisição civil, parcial e gradual, alegando incumprimento dos serviços mínimos que tinha determinado.

Portugal está em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação para evitar que fossem afetados serviços essenciais à população.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)