Rádio Observador

Porsche

Porsche apresenta novo Taycan e surpreende todos

286

O há muito prometido Mission E, que depois evoluiu para Taycan, foi finalmente revelado. Nas formas e nas especificações técnicas. Com o objectivo de não ficar atrás da Tesla, não faltaram surpresas.

Tal como prometido, o primeiro Porsche 100% eléctrico foi apresentado nesta quarta-feira. Depois desta revelação mundial, não há dúvida que o Taycan é fundamental para a marca de Estugarda – pelo menos, tanto quanto o ID.3 é para a Volkswagen e o el-Born para a Seat. Para qualquer um destes fabricantes do Grupo Volkswagen, este é o primeiro eléctrico “à séria” e da sua aceitação depende o sucesso comercial das gamas a bateria que vêm aí.

Para não deixar nenhum mercado sem cobertura, a Porsche realizou não uma, mas três apresentações em simultâneo, com a principal a ter lugar nos arredores de Berlim, junto a um gigantesco parque de geração solar. Ao mesmo tempo, os americanos (e canadianos) assistiram à revelação em plenas cataratas do Niágara – que produzem cerca de 4,9 milhões de kW –, enquanto os chineses conheceram o primeiro eléctrico da Porsche no centro de uma enorme central eólica nos arredores de Fuzhou, na China. No fundo, para transmitir a mensagem de que este é um veículo eléctrico que pretende, num futuro próximo, recarregar as suas baterias exclusivamente a partir de fontes renováveis.

A primeira surpresa, recebida com muito agrado, consistiu nas semelhanças (quase totais) entre o elegante Mission E, o primeiro protótipo apresentado em 2015, e o novo Taycan, que em turco significa “pequeno cavalo cheio de vivacidade”, embora o Porsche tenha quase 5 metros de comprimento. As portas traseiras suicidas desapareceram, como era de esperar, mas praticamente tudo o resto permanece, o que deverá agradar aos clientes da marca.

Com 4,963 de comprimento (contra 4,970 m do Model S) e 1,966 m de largura (contra 1,964 m do Tesla), o Porsche eléctrico não difere muito do concorrente. Pelo menos, até analisarmos a distância entre eixos (2,900 m, ou seja, menos 6 cm do que no eléctrico americano) e a altura, registada em 1,378 m. São menos 6,7 cm do que o rival, uma diferença considerável e que é conseguida à custa de sacrificar a capacidade da bateria ao interromper o pack sob o assento de quem vai à frente, para o montar mais próximo do asfalto. O Taycan é decididamente mais baixo, mas o Model S tem mais espaço interior (podendo transportar cinco ou sete adultos, em vez de apenas quatro) e assume-se como uma berlina rápida e potente, ao contrário do Porsche, que se bate pelo estatuto de berlina desportiva.

Prometeu pouco mais de 600 e oferece 761 cv

Quando se começou a falar da mecânica, chegaram mais novidades do construtor alemão. Não a nível da bateria, que monta células sul-coreanas da LG Chem com 95 kWh de capacidade total e 93,4 kWh útil, mas em termos de potência. Depois de sempre ter falado em “pouco mais de 600 cv” e “ligeiramente menos de 3,5 segundos de 0-100 km/h”, o que motivou críticas por o Taycan ficar a “milhas” do Model S, a Porsche deverá ter reconsiderado e puxou pelos galões.

Para começar, apresentou apenas os dois modelos mais potentes da gama, o Taycan Turbo e o Taycan Turbo S (mais tarde serão introduzidas as versões menos potentes e mais baratas). Ficámos então a saber que, afinal, a versão mais potente tem 625 cv, que saltam para 761 cv com overboost, como também acontece no Audi e-tron. Enquanto isto, o Taycan Turbo recorre à mesma bateria e ao mesmo motor, mas neste caso o overboost eleva-lhe apenas a potência de 625 para 680 cv.

Sem que a Porsche tenha revelado as condições em que a função overboost está disponível, o incremento de potência agora anunciado entra claramente no capítulo das surpresas positivas. Contudo, mesmo assim, a realidade é que o melhor dos eléctricos alemães apenas consegue praticamente igualar a velocidade máxima do Model S Performance (260 contra 261 km/h) e continuar a perder nos 0-100 km/h, ao reivindicar 2,8 segundos contra 2,6 do Tesla.

E esta capacidade de aceleração do Porsche já é conseguida, além da função overboost que lhe dá mais 149 cv do que o seu rival – que surgiu em 2012 –, com o recurso à caixa de duas velocidades que monta no motor traseiro, o que o ajuda no arranque, para depois permitir reduzir os consumos.

Autonomia de 388 a 412 km para o Turbo S

Até nos carros eléctricos, quando se quer mais potência, paga-se com uma menor autonomia, apesar de o “prejuízo” ser menor do que é tradicional entre os motores a gasolina. Ainda assim, mesmo com uma transmissão mais desmultiplicada para circular em estrada (devido à caixa de duas velocidades), o Taycan Turbo S não anuncia melhor do que uma autonomia “entre 388 km e 412 km entre recargas”, sendo o último valor relativo ao WLTP. Não é um valor referência, nem fica longe dos 390 km anunciados para o Renault Zoe com 52 kWh, ou dos 420 km do VW ID.3 com bateria de 55 kWh. Certo é que fica demasiado longe dos 590 km do Model S Performance.

Este enorme diferencial na autonomia, em que o Tesla percorre mais 43% da distância, significa que algo se passa em relação à eficiência do veículo alemão, que anuncia um consumo médio de 26,9 kWh/100 km, contra os 17 kWh/100 km do Tesla equivalente, apesar das já mencionadas diferenças entre as filosofias de ambas as berlinas: ambas potentes, mas uma apenas rápida, enquanto a outra se afirma desportiva.

O Taycan Turbo, com um overboost “menos puxado”, anuncia autonomias entre 381 e 450 km, sendo este o valor em WLTP, o que o atira para um consumo de 26,0 kWh/100 km. O número não impressiona no que respeita ao rendimento, uma vez que o Model S equivalente, o Long Range, percorre 610 km entre visitas aos postos de carga.

As vantagens dos 800 V ficam adiadas

Um dos trunfos do Taycan é o seu sistema eléctrico a 800 V, o dobro do que é normal encontrar nos veículos eléctricos. Segundo o fabricante germânico, isto permitiria recarregar a potências superiores, sem aquecer excessivamente as células da bateria, vantagem que faz sentido, tanto mais que a Porsche promete ser capaz de lidar com carregadores de 350 kW. Porém, também aqui houve uma surpresa, com a marca a anunciar uma potência de somente 270 kW, não muito longe dos 250 kW proporcionados pelos novos Superchargers V3 da Tesla ao Model 3 (que já monta as novas células 21700), ainda que com vantagem face aos 200 kW dos Model S e X. Pelo menos, até estes montarem as baterias do Model 3.

Se a evolução tecnológica é de louvar, os potenciais clientes da marca ficariam certamente mais agradados caso existisse um ganho palpável para o utilizador. Isto porque a mais potência corresponde um menor tempo de recarga.

Durante a apresentação, a Porsche revelou ainda que o Taycan tem duas malas, como o Model S, mas com 81 litros à frente e 366 atrás, o que aponta para um total de 447 litros, ligeiramente abaixo pois dos 500 litros oferecidos pelo mais recente dos Panamera a gasolina. É um bom valor para um veículo com a filosofia do Taycan, com o Model S a satisfazer um diferente tipo de clientes, com os já mencionados cinco ou sete lugares e uma bagageira (também ela dividida entre a frente a traseira) com 805 litros.

Por dentro a qualidade habitual

A Porsche, como é habitual nos fabricantes alemães, constrói com qualidade e o Taycan não será excepção. O habitáculo parece ter lugar para apenas quatro adultos, com o condutor a ter um ecrã digital à frente, onde surge o painel de instrumentos, e outro ao centro, para o sistema de navegação e as soluções multimédia. O passageiro da frente pode usufruir, opcionalmente, de um ecrã só para si, o que obriga a um investimento adicional, tanto mais que a marca é conhecida pela sua lista de equipamento opcional, tão extensa quanto onerosa.

A marca não revelou se o Taycan, que persegue os atributos do Model S em tantas áreas, vai igualmente oferecer sistemas de assistências à condução tipo Autopilot, ou funcionalidades como o carro ir “arrumar-se” sozinho e depois regressar pelos seus meios para junto do dono, como os Tesla fazem com o sistema Summon. Isto já para não falar da capacidade de mudar de faixa na auto-estrada. Curiosidades que, potencialmente, deverão ser esclarecidas numa próxima apresentação não estática.

O novo Taycan começará a ser produzido em breve e, em Portugal, será comercializado por 158.220€ na versão Turbo e por 192.660€ no caso do Turbo S. Ou seja, valores algo superiores ao Model S Long Range e Performance, o primeiro a estar à venda por 88.900€ e o segundo por 106.600€.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)