Rádio Observador

Cultura

“Dor e Glória”: os trabalhos e os padecimentos de Pedro Almodóvar

475

Antonio Banderas tem uma interpretação parcimoniosa e comovente em "Dor e Glória", um filme onde Almodóvar expõe a sua vida e a sua intimidade através dele. Eurico de Barros dá-lhe quatro estrelas.

O realizador doente e em crise criativa (Antonio Banderas) e a sua velha mãe (Julieta Serrano) em "Dor e Glória"

Autor
  • Eurico de Barros

Há dor a mais e muito pouca glória em “Dor e Glória” de Pedro Almodóvar. Dor de costas, dor de cabeça, dor de garganta, dores de coração, dores existenciais e anímicas. Todas elas sofridas por Salvador Mallo, um célebre realizador à beira de fazer 70 anos, “alter ego” de Almodóvar interpretado por Antonio Banderas neste filme semi-autobiográfico, que se inspira muito na sua intimidade e no seu trabalho. Crivado de maleitas do corpo e de achaques da alma, Salvador vive confortavelmente mas sozinho e semi-recluso no seu belíssimo apartamento de Madrid (muitos dos quadros, livros e outros objetos são do próprio Almodóvar), tem uma empregada dedicada e uma fiel assistente que zelam por ele, mas julga ter deixado para trás os seus dias de glória. Não consegue sequer pensar em escrever um argumento ou enfrentar a rodagem de um filme.

[Veja o “trailer” de “Dor e Glória”:]

Como vários outros filmes de Almodóvar, “Dor e Glória” funciona por coincidências e associações, e num constante vaivém cronológico e emocional. Um encontro casual com Zulema (Cecilia Roth), uma amiga atriz, e a projeção, em cópia restaurada, na Cinemateca de Madrid, de “Sabor”, um sucesso que Salvador realizou nos anos 80, vão levá-lo a reencontrar-se com o volátil  Alberto (Asier Etxeandia), o intérprete do filme, com o qual tinha cortado relações após a tempestuosa rodagem deste. Alberto põe Salvador a consumir heroína, Salvador passa-lhe um texto muito pessoal para que este o encene e interprete, mas sem referir quem é o autor. Este encontro, e a peça, conduzem-no, por sua vez, a Federico (Leonardo Sbaraglia), um argentino, seu antigo amante dos tempos loucos e criativos da “movida” madrilena, hoje casado e pai de filhos.

[Veja uma entrevista com Pedro Almodóvar:]

A heroína que Salvador começa a consumir regularmente desencadeia uma série de “flashbacks” para a sua infância numa aldeia na província: a recordação da mãe ainda jovem (Penélope Cruz), e mais tarde já idosa e próxima da morte (Julieta Serrano); a primeira sessão de cinema; o primeiro contacto com o desejo carnal, e um tempo de pobreza e incerteza, mas também de felicidade, esperança e promessas, coisas a que hoje ele não pode aspirar, apenas recordar. Com as devidas distâncias e diferenças, “Dor e Gloria” está para “Fellini 8 ½” como Antonio Banderas está para Marcello Mastroianni neste filme. São duas ficções do “eu”, feitas por dois grandes cineastas em momentos importantes de introspeção existencial e criativa das suas vidas e carreiras, e que recorrem aos seus atores favoritos e de mais confiança para os representar.

[Veja uma entrevista com Antonio Banderas:]

Este filme outonal e gravemente introspetivo, com a sua parada de fantasmas do passado, de amores extintos, de recordações distantes, recriminações ainda vivas e aflições presentes, e assombrado pela memória permanente de uma mãe desveladíssima e queridíssima cuja morte Salvador não consegue superar, poderia, nas mãos de outro cineasta que não Pedro Almodóvar, ter resultado pesada e insuportavelmente narcisista e indulgente, sempre a esticar a mão para mendigar a piedade do espectador. Mas “Dor e Glória” é comovente sem ser sentimentalão, apesar de melancólico está cheio de afetuosidade e ternura, não é hemofílico da auto-condescendência nem se entrega à choraminguice exibicionista. Até tem fogachos esparsos de comédia, como na cena na sala de espera do consultório, em que Salvador se pergunta por que raio será tão popular na Islândia.

[Veja uma entrevista com Penélope Cruz e Julieta Serrano:]

A fita deve também muito aos velhos colaboradores de Pedro Almodóvar, do compositor Alberto Iglesias para a música ao diretor de fotografia José Luis Alcaine, passando por Antxón Gomez na direção de produção (a casa de Salvador, cheia das cores e dos contrastes vibrantes que faltam à vida de quem lá mora, vai passar a ser um dos grandes cenários dos filmes do realizador). E deve ainda, e acima de tudo, à interpretação primorosamente parcimoniosa (e premiada em Cannes em 2018) de Antonio Banderas num Salvador cinzento, mortiço e descrente de si mesmo, um “zombie” do prazer de viver e do entusiasmo de criar (as cicatrizes que vemos no peito do ator no plano de abertura na piscina, são mesmo dele e não maquilhagem: já fez duas operações de coração aberto). Banderas personifica Salvador como um homem que se apaga aos bocadinhos e em surdina, e não está minimamente preocupado com isso.

[Veja uma cena de “Dor e Glória”:]

“Dor e Glória” não termina em tom elegíaco nem em registo pessimista. Há ainda esperança para Salvador, e sumo criativo dentro dele. Antes de o anestesiar para a operação à garganta, o médico pergunta-lhe como se sente, e se está a trabalhar nalgum projeto, e ele responde: “Oh, doutor, sim, estou a escrever uma coisa.” E o plano final, do filme dentro do filme, da memória duplamente recriada, esclarece-nos que Salvador Mallo, tal como Pedro Almodóvar, ainda tem coisas para dizer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)