O objetivo do Movimento Dar Futuro ao Sporting é, a 3 de janeiro, entregar ao presidente da mesa da assembleia geral do Sporting, Rogério Alves as assinaturas necessárias — mil — para que este possa convocar uma assembleia geral extraordinária. O ponto único da assembleia geral será a destituição dos órgãos sociais do clube.

O manifesto foi publicado este domingo, no Facebook do movimento e, à Rádio Observador, o porta-voz do movimento António Delgado confirmou que, apesar de já terem “neste momento as mil assinaturas”, pretendem conseguir mais 150 e que, para o efeito marcarão presença no dia 8 de dezembro no Estádio José de Alvalade para “continuar com a recolha de assinaturas e esclarecer os sócios sobre a candidatura e intenção da mesma”.

Um dos constrangimentos que o movimento enfrentará é custo que será necessário suportar para a realização da assembleia geral e, por isso, segundo o porta-voz do movimento, estão já a trabalhar no sentido de delinear uma estratégia para angariar fundos e custear a reunião.

“Temos vários contactos de agências que nos estão a fazer esse orçamento, inclusivamente um orçamento alternativo àquilo que a mesa da assembleia geral nos cobrar, será um valor mais alto mas tentaremos combater isso com um valor mais em conta e iremos propor 10 dias para nos apresentar o orçamento para a reunião magna e depois recolheremos fundo entre os sócios”, explicou António Delgado.

Segundo o porta-voz do movimento será criado “um IBAN associado ao movimento”. António Delgado fez notar ainda que o movimento “não tem qualquer intenção de se colar a qualquer candidatura ou eventuais ou putativos candidatos”.