Podiam ser goleadas, como aconteceu com o Paraguai em 2017 (7-0), com El Salvador em 2011 e 2008 (11-2 e 8-2) ou com a Bélgica em 2004 (12-1). Podiam ser triunfos mais equilibrados, como aconteceu com o Japão em 2015 e 2005 (4-2 e 4-0), com os Emirados Árabes Unidos em 2009 (7-5) ou com o Uruguai em 2006 (5-4). No limite, até podia ser uma vitória nas grandes penalidades, como aconteceu com o Irão em 2007 (3-3, 1-0 g.p.). Certo é que, nas últimas nova edições do Campeonato do Mundo em que participou, Portugal arrancou sempre da melhor forma e em 2019 não foi exceção, com um triunfo por 10-1 frente à Nigéria no grupo D.

O primeiro período teve uma Seleção Nacional sempre por cima e a criar variadas oportunidades (fora as bolas paradas por faltas) para inaugurar o marcador que foram encontrando pela frente de forma inevitável o guarda-redes Danjuma Paul, uma das grandes figuras dos africanos. Aos poucos, também a Nigéria foi aproveitando alguns espaços que iam ficando na transição portuguesa para se chegar à frente, tendo atirado duas vezes aos postes no mesmo lance por Taiwo e Azeez Abu. Portugal terminou os 12 minutos com mais do dobro dos remates (25-11), mais bola (64%) mas em desvantagem com um golo de Abu em contra-ataque a 34 segundos do fim.

Mário Narciso não gostava do que via no resultado mas precisou apenas de um minuto e meio para ver o 2-1 da reviravolta, com golos de Belchior (canto direto) e Jordan (livre a castigar dois atrasos para o guarda-redes). Essa vantagem trouxe outro conforto aos campeões europeus, que aumentaram o avanço por Torres num canto bem trabalhado em que surgiu ao segundo poste (15′). A Nigéria conseguiu então suster a avalanche nacional, ao passo que a Seleção mantinha o controlo do jogo e chegou ao 5-1 no último minuto do período com golos de Rui Coimbra (livre) e Leo Martins, na sequência de uma grande jogada com Bê Martins e Jordan.

Se o segundo período tinha começado da melhor forma, o terceiro e último não ficou em nada atrás, com Belchior a bisar com apenas 23 segundos jogados. Von ainda desperdiçou uma grande penalidade pouco depois mas Torres, também de penálti, aumentou para 7-1 a cinco minutos do final, desbloqueando o resto da goleada onde fez hat-trick (33′) antes de Coimbra fazer o 9-1 (34′) e o capitão Madjer, quando Petrony e Rúben Brilhante já estavam também em campo, fixar o 10-1 final no último minuto.

Com este resultado, Portugal lidera o grupo D com três pontos, esperando agora o resultado do outro jogo desta sexta-feira, entre Brasil e Omã. De domingo para segunda-feira, à meia-noite, a Seleção Nacional vai defrontar os brasileiros, atuais campeões mundiais. Suíça, Japão (grupo A), Itália, Uruguai (grupo B) e Rússia (grupo D) também venceram os seus primeiros encontros neste Campeonato do Mundo que se está a disputar desde ontem no Paraguai, em Luque.