Justino Delgado, considerado o principal artista moderno da Guiné-Bissau, apoia Umaro Sissoco Embaló nas eleições presidenciais, mas quer ver a unidade do povo e pede ao próximo chefe de Estado para fazer do país “a Suíça de África”.

A preparar-se para atuar no comício que Umaro Sissoco Embaló vai fazer em Bafatá, segunda cidade da Guiné-Bissau, Justino Delgado explicou à Lusa ter já falado com o candidato que apoia para que no caso de ser eleito, no próximo domingo, convide Domingos Simões Pereira para trabalharem juntos. “Também faço o mesmo apelo ao Domingos” Simões Pereira, acrescentou Justino Delgado, sublinhando ser “radicalmente contra a divisão” do povo guineense, que, disse, deve ser mantido unido como sonhou Amílcar Cabral, “pai” da nacionalidade.

Na primeira volta das presidenciais, Justino Delgado foi o principal animador dos comícios de Simões Pereira, e nesta segunda volta, o músico aparece ao lado Sissoco Embaló. “Não estou nos dois lados, como se possa parecer. Desta vez estou a apoiar Umaro Sissoco Embaló, mas quero dos dois a unidade do povo”, afirmou Justino Delgado, lembrando ser “um farol que muitos guineenses seguem”.

Delgado explicou que em termos da cidadania está com os dois candidatos, mas do ponto de vista profissional apoia Umaro Sissoco Embaló, mas sem “nunca trair” os princípios que afirma defender há muitos anos enquanto artista.

Assumindo-se como referência do povo, Justino Delgado pretende ver a Guiné-Bissau com eletricidade, escolas e hospitais de qualidade em todas as regiões, bem como estradas em condições que façam do país “uma pequena Suíça em África”.

O músico disse que tudo isso é possível “há muito tempo”, desde que os políticos “não atrofiem a economia”. “Os meus apelos são ouvidos, são dançados, mas não são aplicados na prática pelos políticos”, sublinhou Justino Delgado, que momentos depois subia ao palco para cantar a música em que repete, em refrão, ‘votem para o Umaro Sissoco Embalo’, galvanizando a assistência com passos ritmados de dança.

Mais de 760.000 guineenses são chamados domingo às urnas para escolher o próximo Presidente da Guiné-Bissau entre Domingos Simões Pereira, apoiado pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), e Umaro Sissoco Embaló, apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15).