Porto Rico foi atingido, na madrugada desta terça-feira, por um sismo de magnitude 6,6 na escala de Richter. O tremor de terra é o mais forte de uma série que tem vindo a ocorrer desde 28 de dezembro.

O alerta de tsunami não foi acionado, mas o centro de informação do Pacífico advertiu para a possibilidade de “algumas ondas” de maior dimensão. O abalo causou apenas pequenos deslizamentos de terra e cortes de energia e não há relato de danos ou de feridos.

Os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequeno (2,0-2,9), pequeno (3,0-3,9), ligeiro (4,0-4,9), moderado (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grande (7,0-7,9), importante (8,0-8,9), excecional (9,0-9,9) e extremo (superior a 10).

Esta segunda-feira o estado livre dos Estados Unidos foi afetado por outro sismo, de magnitude 5,8, que destruiu cinco casas e danificou dezenas de outras, mas a perda mais sentida foi a de uma formação rochosa da ilha, em Guaynilla. Os “abanões” fizeram com que a parte de cima da “Janela do Pacífico”, que costumava adornar fotografias de turistas, caísse ao oceano. Segundo o The Washighton Post, os oficiais da cidade estavam a monitorizar a “janela”, na sequência da atividade sistémica que tem vindo a afetar o Estado.

As autoridades lamentaram a perda de um “símbolo importante para a cidade e para a sua herança natural”. “A Janela do Pacífico é um ícone da região e a sua beleza constituía um recurso para a comunidade, que tem sofrido muito”, disse Daniel Hernandéz, porta-voz da autarquia localidade.

Guaynilla é uma dos municípios que mais dificuldades tem tido em recuperar dos efeitos do furacão Maria que afetou  o Porto Rico em 2017. O representante autárquico estima, por causa dos efeitos da tempestade, que cerca de 50 famílias do município ainda estejam sem casa.