“O investimento vindo desse país, como o de todos os países, é bem-vindo. Naturalmente, no respeito da legalidade e constitucionalidade. E continua a ser bem-vindo”, defendeu o Presidente da República, de visita a Israel, quando confrontado pelos jornalistas sobre o Luanda Leaks e o dinheiro proveniente de Angola.

Em declarações, num hotel de Jerusalém, depois de ter sido recebido por Reuven Rivlin na residência oficial do Presidente do Estado de Israel, Marcelo Rebelo de Sousa, escusou-se no entanto a comentar o caso.

Sobre o encontro do dia, considerou que este encontro “correu muito bem” e que se verificou “uma aproximação” de posições entre os dois sobre a situação regional.

O chefe de Estado, que chegou esta terça-feira a Jerusalém para participar no 5.º Fórum Mundial do Holocausto, na quinta-feira, assinalou que “não havia a vinda de um Presidente português a Israel desde o Presidente Mário Soares, há 25 anos”.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou ainda que convidou o seu homólogo Israelita “a visitar Portugal, se possível até ao fim do ano”, adiantando que, a concretizar-se essa visita, que depende do “calendário apertado” de Reuven Rivlin, ficou acertado que fará depois uma visita recíproca a Israel.