A empreitada de abertura do canal do MetroBus na Baixa de Coimbra é lançada esta quinta-feira numa cerimónia presidida pelo secretário de Estado das Infraestruturas e Habitação.

A sessão realiza-se às 15h00 na Via Central, junto à rua Direita, em Coimbra, e, para além do secretário de Estado, Jorge Delgado, conta com a presença do presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado.

O Orçamento do Estado (OE) para 2020 reserva 22 milhões de euros para o Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM), a executar este ano, o que equivale a 26% do investimento total no projeto, que inclui intervenções no antigo ramal ferroviário da Lousã e na construção de uma linha urbana, em Coimbra, entre a Baixa e os Hospitais da Universidade.

Desde que a Metro Mondego foi criada, em 1996, o SMM previa a instalação de um metro ligeiro de superfície, tendo o primeiro Governo de António Costa optado por um sistema de autocarros elétricos do tipo MetroBus, em canal dedicado.

O investimento total no MetroBus ronda os 85 milhões de euros.

“Foi encontrada uma solução de MetroBus elétrico que aproveitará o investimento em infraestruturas feito até ao momento e que se constituirá num troço urbano [que abrange parte do Ramal da Lousã, entre Alto de São João e a Linha do Hospital) e num troço suburbano [de Serpins, no concelho da Lousã, ao Alto de São João, em Coimbra]”, segundo a proposta do OE aprovado para 2020.

O executivo de António Costa e a Infraestruturas de Portugal asseguraram em 2019 que o SMM começará a funcionar em 2021 de forma faseada.