455kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Veredicto: Harvey Weinstein considerado culpado de crimes sexuais, incluindo violação

Este artigo tem mais de 2 anos

O ex-produtor foi esta segunda considerado culpado de ato sexual criminoso em primeiro grau e de violação em terceiro grau. Escapou às duas acusações mais graves. Enfrenta mais de 25 anos de prisão.

i

JUSTIN LANE/EPA

JUSTIN LANE/EPA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O júri em Manhattan chegou a um veredicto esta segunda-feira, dia 24 de fevereiro, depois de quase um mês de julgamento. Harvey Weinstein foi considerado culpado de ato sexual criminoso em primeiro grau e de violação em terceiro grau (o que remete para a falta de consentimento explícito), tal como avança o The New York Times. O júri absolveu Weinstein das duas principais acusações contra ele, ou seja, agressão sexual predatória.

A pena por ato sexual criminoso em primeiro grau é entre cinco e 25 anos de prisão. O crime de violação em terceiro grau remete para uma pena até quatros anos. Weinstein vai ser de imediato enviado para a prisão, onde aguardará sentença — de acordo com a IndyWire, esta é conhecida a 11 de março. Das cinco acusações de crimes sexuais que recaíam sobre ele, foi considerado culpado de dois crimes.

Weinstein foi considerado culpado de violação no caso de Jessica Mann, cabeleireira e aspirante a atriz cuja identidade só foi divulgada no primeiro dia de audições. Mann acusava o ex-produtor de a violar em 2013 num quarto de hotel em Manhattan. Mann alegou em tribunal que conheceu o produtor numa festa em Los Angeles e que os pedidos de massagem vieram primeiro e antecederam a prática forçada de sexo oral numa reunião sobre um filme. Sob juramento, Mann contou que fingiu o orgasmo para sair daquela situação. Semanas mais tarde, Mann afirmou ter sido violada por Weinstein num hotel. Contou ainda como o produtor a impediu de sair do quarto e como a obrigou a despir-se. “Por dentro eu estava muito zangada e muito assustada. Desisti nesse momento.” Segundo a testemunha, o produtor tinha-a manipulado desde o início, forçando-a a ter uma relação sexual.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Weinstein foi ainda considerado culpado de ato sexual criminoso em primeiro grau no que concerne à queixa de Miriam Haley, ex-assistente de produção que o acusou de forçar a prática de sexo oral, em 2006, no seu apartamento em TriBeCa (bairro no centro de Manhattan). A história de Haley (recentemente mudou o nome para Mimi Haleyi) data de 10 de julho de 2006, quando a então assistente de produção estava no apartamento de Harvey a convite deste. O relato em tribunal dá conta que Weinstein a empurrou para um quarto e, de seguida, para uma cama. Aí, ignorando os seus protestos, fez-lhe sexo oral “forçado”. Haley estava com o período, pelo que o produtor removeu à força o tampão. “Eu estava a dizer-lhe ‘Não, não, não, não faças isso’”, contou Haley em tribunal. “Era como se ele não acreditasse em mim.” A produtora, hoje com 42 anos, recorda-se ainda de ter pensado: “Estou a ser violada”. “Eu não conseguia afastar-me dele de todo, quanto mais sair do apartamento. Finalmente, ao fim de algum tempo, saí e decidi que ia aguentar isto. Naquela altura isso era a coisa mais segura a fazer.”

Weinstein à entrada no tribunal antes de conhecer o veredicto

Scott Heins/Getty Images

O ex-produtor foi, no entanto, absolvido de duas acusações de agressão sexual predatória, o que sugere que alguns (ou apenas um) membros do júri não terão acreditado no testemunho de Annabella Sciorra. A defesa bem sugeriu que a experiência de atriz de Anabella Sciorra, mais conhecida pela série “Os Sopranos”, fazia dela uma testemunha pouco fiável, mas isso não impediu que o seu depoimento marcasse o segundo dia de julgamento. Detalhes “excruciantes” da noite em que alegadamente foi violada, algures entre 1993 e 1994, foram revelados num tribunal em silêncio e interrompidos por lágrimas da própria, tal como descreveu o The New York Times a 23 de janeiro. No papel de testemunha durante mais de duas horas — ainda que o seu caso seja tão antigo que não possa ser julgado em tribunal —, Sciorra parecia “exausta”, com a voz embargada e “incapaz de controlar os soluços”. Na sua versão dos factos, Harvey Weinstein atacou-a depois de a levar a casa, no seguimento de um jantar na baixa de Manhattan.

Durante o julgamento, que arrancou a 6 de janeiro, seis mulheres testemunharam contra o produtor caído em desgraça que se declarou inocente desde o início, alegando sempre que os atos foram consentidos.

A par deste veredicto, Harvey Weinstein terá de enfrentar uma vez mais a barra dos tribunais, isto é, ir novamente a julgamento, desta vez em Los Angeles, onde é acusado de ter violado uma mulher e de ter agredido sexualmente uma outra. Ambos os casos datam de fevereiro de 2013 e terão acontecido em dois dias consecutivos. De acordo com o LA Times, Weinstein tem pela frente mais quatro acusações.

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.