A Montepuez Ruby Mining (MRM), empresa que explora uma mina de rubis no norte de Moçambique, pediu esta terça-feira o apoio do Governo para travar o garimpo ilegal na região, depois de três seguranças seus terem sido feridos num ataque.

“Pedimos o apoio do Governo para a resolução deste problema, que tem causado enormes prejuízos à companhia”, disse Harald Halbich, diretor-geral da MRM, citado num comunicado distribuído hoje à imprensa.

No sábado, um grupo de garimpeiros, que fazem prospeção ilegal, feriram gravemente três funcionários e incendiaram uma viatura da empresa, que detém 33 mil hectares de concessão para exploração de rubis em Montepuez, província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique.

Para a empresa, as incursões de garimpeiros na mina estão a ser lideradas por “sindicatos ilegais de contrabando de rubis”, grupos que alegadamente estão a ser financiados por compradores estrangeiros.

“Os mineiros [em situação de ilegalidade] são normalmente controlados e geridos por sindicatos e intermediários que tiram vantagem da pobreza e do desemprego. As ações perpetradas [nestas ações] ultrapassam as nossas capacidades”, observou.

A empresa acrescentou que continua a apostar nas campanhas de consciencialização nas comunidades, mas reitera a necessidade de uma intervenção das autoridades.

“A ação dos ‘ilegais’ é facilitada por sindicatos por detrás do comércio ilegal de rubis moçambicanos, que privam o Estado de arrecadar os devidos valores dos impostos provenientes do verdadeiro valor do mercado internacional de rubis”, conclui o comunicado.

A Montepuez Ruby Mining apresenta-se como a principal investidora na extração de rubis em Moçambique, sendo detida em 75% pela Gemfields e em 25% pela moçambicana Mwiriti Limitada.

A empresa tem vindo a alertar para as consequências do garimpo ilegal na região, denunciando o que classificou de “escravatura moderna” a que muitos jovens são sujeitos, a mando de traficantes de pedras preciosas no mercado internacional, nas jazidas dentro da concessão da empresa.

No passado dia 6, 11 garimpeiros em situação ilegal morreram devido ao desabamento de terra.

A mina de Montepuez foi notícia a nível internacional no ano passado devido a um processo judicial.

Em janeiro de 2019, a Gemfields aceitou pagar, num acordo extrajudicial, 8,3 milhões de dólares para pôr termo a 273 queixas de mortes, espancamentos e outras violações de direitos humanos junto à mina, executadas por seguranças privados e polícias, entre 2011 e 2018.

A firma admitiu a existência dos incidentes, mas nunca a responsabilidade pela sua ocorrência.