A SAD do Leixões admitiu esta sexta-feira recorrer da sentença do Tribunal Central Criminal de Lisboa que proibiu o clube de jogar durante dois anos na I e II Liga no âmbito do julgamento do processo denominado de Jogo Duplo.

Em nota publicada na página oficial no Facebook, a SAD manifesta a “total tranquilidade quanto à leitura do acórdão” do processo relacionado com viciação de resultados no futebol profissional português.

O gabinete jurídico da SAD vai analisar a sentença proferida pelo coletivo de juízes para, certamente, interpor recurso nas instâncias competentes”, lê-se ainda na publicação, que confirma a conferência de imprensa agendada para segunda-feira, às 15h, no Estádio do Mar.

Já antes, o presidente da SAD do Leixões, Paulo Lopo, tinha reagido à condenação, afirmando que o “importante é ter tranquilidade e confiança”.

O clube leixonense, atual 11.º classificado da II Liga, foi punido por um crime de corrupção ativa e condenado ainda ao pagamento de uma multa no valor de 60 mil euros. Foram condenados a penas de prisão efetiva Gustavo Oliveira (seis anos e seis meses), Carlos Daniel Silva ‘Aranha’ (seis anos e nove meses), Rui Dolores (cinco anos e seis meses), Hugo Guedes (cinco anos e nove meses) e João Tiago Rodrigues (cinco anos e dois meses). Os 27 arguidos do processo Jogo Duplo ficaram esta sexta-feira a conhecer o acórdão do julgamento, que se iniciou em 22 de fevereiro de 2018 e cuja leitura foi feita no Tribunal Central Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça.