O diretor-geral da Altice Labs Alcino Lavrador anunciou esta quinta-feira que a empresa já está a trabalhar na sexta geração, no âmbito do projeto europeu Terranova.

“O 5G para nós já está maduro. É preciso obviamente agora criar modelos de negócio que rentabilizem o investimento que é necessário fazer, mas em termos de tecnologia o nosso desafio agora é o 6G e é nisso que estamos a trabalhar”, disse Alcino Lavrador, em declarações à margem do 4.º aniversário da Altice Labs, em Aveiro.

A cerimónia ficou marcada pela assinatura de um protocolo com o município de Oeiras para a abertura naquele concelho de um polo da Altice Labs, o centro de inovação, investigação e desenvolvimento do Grupo Altice que está sedeado em Aveiro.

Este é um projeto que começou há pouco mais de dois anos e meio com a capacidade de levarmos a inovação tecnológica até vários pontos do país e Oeiras dentro da Área Metropolitana de Lisboa foi o município que se mostrou mais interessado e que tinha vontade de fazer esta cooperação avançar”, disse o presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca.

O polo de Oeiras, que ficará situado no Taguspark em Oeiras, é o quinto centro de investigação da Altice Labs. Neste momento, só estão a funcionar os polos de Viseu, da Madeira e dos Açores, sendo que este último será inaugurado nas próximas semanas. O polo de Olhão, no Algarve, ainda está na fase de obra.

O presidente da Altice admitiu que este projeto não irá ficar por aqui, adiantando que têm recebido muitos pedidos de autarquias de todo o país. “Felizmente, os autarcas têm reconhecido a importância deste projeto e são muitos os pedidos e os desafios que temos tido de várias autarquias de norte a sul do país”, afirmou.

Alexandre Fonseca reconheceu ainda o trabalho “notável” que tem sido feito pela Altice Labs, sublinhando que “não há muitas empresas que desenvolvam tecnologia de ponta e que estejam presentes em cinco continentes, em 60 países, e que diariamente toque mais de 250 milhões de pessoas”.

O gestor realçou ainda que este centro “é sustentável” do ponto de vista financeiro”, gerando liquidez e riqueza que é investida em inovação.

A Altice Labs onde trabalham mais de 700 profissionais sucedeu à PT Inovação e herda uma história iniciada em 1950 quando se apostou em desenvolver em Portugal a tecnologia de telecomunicações mais avançada da altura: centrais telefónicas analógicas automáticas.