Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

9 de março de 2004. Há 16 anos, há quase exatamente 16 anos, o FC Porto visitou o Manchester United na segunda mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões. O resultado no Dragão tinha sido tangencial, um 2-1 com um bis de McCarthy que um golo de um olvidável Quinton Fortune tornava possivelmente perigoso. Em Old Trafford, pouco depois da meia-hora, Paul Scholes confirmou isso mesmo ao atirar o United de Alex Ferguson e Cristiano Ronaldo para a frente da eliminatória. Mas em cima dos 90′, na recarga a uma defesa de Tim Howard depois de um livre direto, Costinha colocou o FC Porto nos quartos de final da Champions.

José Mourinho correu, correu e correu. Correu desde o banco de suplentes até à zona da bandeirola de canto, onde os jogadores se amontoavam em cima de Costinha — correu entre saltos, entre braços pelo ar e entre a certeza de que tinha o passaporte carimbado para a fase seguinte. O FC Porto eliminou o Lyon nos quartos, o Deportivo nas meias e aniquilou o Mónaco na final de Gelsenkirchen: conquistou a Liga dos Campeões em 2003/04, de forma quase épica, mas foi naquela gélida noite de março em Manchester que o futebol europeu conheceu José Mourinho. Um José Mourinho que corria, corria e corria.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.