Num subúrbio sem nome, numa América pós-imperial e decadente, onde os filhos do 11 de setembro de 2001 crescem entre um normalizado acesso a drogas e a armas, o escapismo proporcionado pela realidade virtual, a pornografia, a sexualidade filmada, fotografa e partilhada, a disfuncionalidade familiar, a doença.  Nesta cidade, onde é quase sempre noite, onde as sombras persistem em pairar sobre os sonhos americanos, e o ambiente é de total disforia a vida disfarça-se, mascara-se numa alegria falsa, numa “Euphoria”. A série, que se estreou, sem grande alarde, na HBO, no verão de 2019, tem vindo a transformar-se num fenómeno de popularidade não obstante a dureza e realismo na abordagem de temas atuais como a homo e a transsexualidade, a depressão, a violência, mas também na forma criativa como é construida cada personagem, nomeadamente, recorrendo ao uso da maquilhagem como meta-narrativa.

Jules (Hunter Schafer) usa em torno dos olhos um jogo de cores e formas audacioso e artístico que já está a fazer escola no mundo da maquilhagem. © Instagram Hunter Schafer

A série dramática, uma criação de Sam Levison, parece não ser o lugar mais provável para acontecer uma explosão de criatividade no domínio da maquilhagem, mas Levinson assume que é viciado em ver tutoriais sobre o tema no You Tube, e quando chamou Donielle Davy  e Kristen Sage Coleman para a caracterização pediu-lhes que criassem uma estética para cada personagem, que não fosse meramente decorativa, mas sim uma expressão do mundo interior de cada uma delas. Assim, em Euphoria, a maquilhagem torna-se aquilo que foi a moda para O Sexo e a Cidade, Gossip Girl ou Mad Man: um prolongamento do eu, uma linguagem identitária e epocal.

No centro da narrativa está Jules, uma transgénero interpretada pelo modelo Hunter Schafer, também ele transgénero. Jules é a nova rapariga na cidade e, ao contrário do que se esperaria, é a mais segura, mais confiante e a única que parece ter futuro fora daquele subúrbio. É a personagem mais complexa e mais inesperada, mas Levinson nunca cai na tentação de olhar para ela a partir de uma posição moralista ou paternalista. Por isso, Donielle Davy criou para ela uma linguagem pictórica absolutamente fascinante, qualquer coisa entre a geometria modernista de um Kandinsky e o expressionismo abstrato de Pollock passando pelo surrealismo de Miró. Davy e Coleman usam de uma radicalidade quase infantil desenhando círculos, nuvens, flores em torno dos olhos da personagem ou simplesmente usando manchas informes de muitas cores como se uma criança estivesse a usar uma caixa de lápis de cor ou aguarelas pela primeira vez. O resultado tem uma força expressiva inquestionável tendo criado de imediato um séquito de seguidores: dos Globos d’Ouro aos desfiles de moda em setembro de 2019, e agora em 2020, passado pelo street style, é difícil não encontrar referências aos olhos de Jules em “Euphoria”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.