A Volkswagen encomendou à sua agência de publicidade um anúncio para promover o novo Golf nas redes sociais, nomeadamente o Instagram. E os criativos da agência produziram um vídeo simples, com humor, em que uma mão gigante parece retirar um homem das proximidades de um Golf e “empurrá-lo” para dentro do que parece ser um restaurante. Ou seja, um anúncio que, à primeira vista, se parece com milhares de outros.

O homem que surgia no anúncio era preto, em vez de branco ou amarelo, o que fez desde logo disparar os alarmes sociais. Como se isso não bastasse, avança o Business Insider, o estabelecimento em causa era o Petit Colon. Provavelmente, em honra do restaurante com o mesmo nome na Argentina. Sucede que Petit Colon significa “pequeno colonizador” em francês, o que só reforçou as críticas.

O restaurante Petit Colon mais conhecido localiza-se no centro de Buenos Aires, sendo um bistrôt estilo parisiense que deve a sua denominação ao Teatro Colon, que se encontra a poucos metros de distância. Este, por sua vez, foi baptizado em honra de Cristóvão Colombo, o grande navegador e colonizador ao serviço da coroa espanhola, alegadamente genovês mas potencialmente lusitano.

As críticas ao anúncio da marca alemã chegam ao ponto de apontar a forma como as letras aparecem gradualmente no início do anúncio, para formar a frase “Der Neue Golf” – “O Novo Golf”, em alemão. Segundo o Metro, há quem consiga ler “neger”, calão em alemão usado para ofender indivíduos de cor. Veja aqui se consegue visualizar a palavra.

4 fotos

Segundo a BBC, a Volkswagen, que inicialmente disse estar “chocada” pelo facto de ter sido “tão mal-entendida”, perante a polémica, optou por retirar o anúncio e fazer um mea culpa, afirmando-se “solidária com as críticas de racismo e horrorizada com o anúncio”, ainda que este tenha sido aprovado pelo marketing do construtor antes de ser publicado.

A posição oficial da Volkswagen chegou através de um comunicado assinado por Elke Heitmuller, responsável pela diversidade dentro do grupo, e por Jürgen Stackmann, membro da administração com os pelouros das vendas e marketing, ou seja, o responsável, em última instância, pelo anúncio que acusa de ser uma ofensa “a todas as pessoas decentes”.