A Audi pretende conceber um modelo eléctrico, com novas tecnologias na área das baterias e motores, mas igualmente no campo da condução autónoma, que deverá estar pronto em 2024. Para tal, foi criado um novo grupo de trabalho, denominado Artemis.

A ideia da criação dessa task force partiu do próprio CEO da Audi, Markus Duesmann, que pretendia encontrar um modo pioneiro de desenvolver um veículo, neste caso um eléctrico alimentado a bateria, “de forma mais rápida e desburocratizada”.

Os construtores automóveis tradicionais possuem estruturas pesadas, com muitos departamentos e direcções, todos a terem de ser ouvidos em cada fase do processo. O sistema existe para evitar erros e custos excessivos, mas quando se trata de conceber automóveis eléctricos, em que a experiência do construtor não é ainda grande e depende muito de fornecedores, é aconselhável pensar out of the box. E foi essa a estratégia de Duesmann.

“O Grupo Volkswagen sempre teve uma forte componente tecnológica e assim vai continuar”, afirmou o CEO da Audi durante o anúncio do projecto Artemis, que será liderado por Alex Hitzinger, até aqui responsável pelos veículos autónomos dentro do Grupo.  “Vamos fabricar 75 modelos eléctricos até 2029, o que vai consumir todos os nossos recursos, pelo que para implementar um novo projecto, diferente e inovador, era forçoso agir de forma diferente”, adiantou Duesmann.

O responsável máximo da Audi garantiu ainda que a equipa envolvida no projecto Artemis vai usufruir de uma liberdade de acção muito superior ao habitual dentro do conglomerado germânico e, apesar de estar localizada em Ingolstadt, na Alemanha, tem acesso a todos os recursos do Grupo Volkswagen.