O BCE concedeu esta quinta-feira um montante recorde de 1.308 mil milhões de euros a três anos a 742 bancos da zona euro, na quarta operação de financiamento a longo prazo com o objetivo de emprestarem às empresas e às famílias. A procura de liquidez disparou depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter melhorado as condições de financiamento.

Os bancos podem conseguir empréstimos a -1%, pelo que o BCE os recompensará se emprestarem o suficiente à economia real. No leilão anterior deste tipo, 114 bancos solicitaram 114.979 milhões de euros ao BCE.

O montante atribuído esta quinta-feira representa uma injeção de liquidez recorde numa operação de refinanciamento do BCE. Até à data, o máximo que o BCE injetou de imediato no sistema foi de 529 mil milhões de euros em 2012.

A transação desta quinta-feira será liquidada em 24 de junho e expira em 28 de junho de 2023, mas os bancos poderão reembolsar os empréstimos ao BCE em setembro de 2021.

O enorme volume de liquidez que o BCE vai injetar agora no mercado poderá ser utilizado por muitos bancos para ganhar liquidez ou realizar “carry trades”, operações em que se financiam numa moeda a uma taxa de juro mais baixa e investem em outra que proporciona um maior rendimento.